Paquistão mata 100 militantes; aumenta tensão com EUA

Por Kamran Haider ISLAMABAD (Reuters) - Soldados paquistaneses mataram até 100 militantes ligados à Al Qaeda em violentos combates travados na fronteira com o Afeganistão, na quinta-feira, afirmou uma autoridade da área de segurança, enquanto aumentavam as tensões com os Estados Unidos devido a diferenças sobre como enfrentar os insurgentes.

Reuters |

O aumento da violência no território afegão fez crescerem as pressões sobre o Paquistão para reprimir os militantes que operam de áreas remotas do lado paquistanês da fronteira. Isso também fez subir o número de ataques norte-americanos contra militantes no Paquistão.

O governo paquistanês diz estar comprometido com a campanha contra os insurgentes lançada depois dos ataques de 11 de setembro de 2001. Mas proíbe a entrada em seu território de soldados norte-americanos.

No combate mais recente, ocorrido na região de Bajaur (noroeste), onde, segundo alguns analistas, estariam escondidos os dirigentes da Al Qaeda, as forças de segurança travaram intensas batalhas com os militantes ligados a um comandante local chamado Qari Zia-ur-Rehman.

'Entre 80 e 100 militantes foram mortos em Bajaur hoje. A maior parte deles são estrangeiros', disse a autoridade que não quis ter sua identidade revelada. Essa mesma autoridade afirmou que a nacionalidade dos estrangeiros estava sendo verificada.

Dois soldados também morreram nos combates, acrescentou.

Os três dias de enfrentamento na região somam uma cifra de mortos de mais de 100. Em outro incidente, forças de segurança mataram oito militantes no vale de Swat (noroeste), afirmou um porta-voz das Forças Armadas do Paquistão.

Bajaur tem sido palco das mais violentas batalhas travadas nas últimas semanas e nas quais mais de 600 militantes foram mortos.

Os insurgentes de Bajaur costumam atravessar a fronteira rumo ao Afeganistão para atacar soldados ocidentais e as forças do governo afegão.

A onda de violência no Afeganistão intensificou-se nos últimos dois anos, período durante o qual a Al Qaeda e o Taliban conseguiram reorganizar-se. Os militares norte-americanos afirmaram na quarta-feira que não estavam conseguindo vencer a guerra naquela região e que reveriam sua estratégia para enfrentar os redutos de insurgentes no Paquistão.

Segundo o jornal The New York Times, o presidente norte-americano, George W. Bush, em junho, deu ordens secretas para que, pela primeira vez, forças especiais dos EUA realizassem ataques dentro do Paquistão sem a aprovação do governo paquistanês.

(Reportagem adicional de Augustine Anthony e Zeeshan Haider)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG