Ministro diz que parte dos US$ 800 milhões que deixarão de ser enviados ao país seriam destinados a postos fronteiriços

O governo paquistanês ameaçou nesta terça-feira retirar parte de suas tropas mobilizadas perto da fronteira com o Afeganistão, em resposta à decisão dos Estados Unidos de suspender US$ 800 milhões em ajuda militar para o Paquistão.

Em uma entrevista à emissora Express que será emitida nesta noite, o ministro de Defesa paquistanês, Ahmed Mukhtar, assegurou que seu país vai retirar soldados dos mais de mil postos de controle que o Paquistão mantém ao longo da fronteira.

Segundo trecho da entrevista divulgado pela emissora, Mukhtar disse que a retirada das tropas se deve ao fato de que US$ 300 milhões dos US$ 800 milhões que deixarão de ser enviados ao Paquistão seriam destinados aos soldados mobilizados na região da fronteira afegã.

O anúncio de que os EUA cortariam a ajuda militar ao Paquistão foi feito no domingo por William Daley, chefe de gabinete do governo de Barack Obama. "O Paquistão tomou medidas que nos levaram a suspender parte da ajuda que damos ao exército paquistanês", afirmou Daley, em entrevista ao canal ABC.

Os cerca de US$ 800 milhões representam mais de um terço de mais de US$ 2 bilhões anuais em assistência para segurança que Washington provê a Islamabad.

A secretária de Estado Hillary Clinton já havia alertado no mês passado que os EUA reduziriam a ajuda militar ao Paquistão a menos que este país adotasse medidas concretas para colaborar com Washington.

Daley evocou também a deterioração das relações entre os dois países depois da eliminação do chefe da Al-Qaeda, Osama Bin Laden, em um ataque de um comando americano dentro do Paquistão em 2 de maio passado.

Islamabad, para quem o ataque constituiu uma violação de sua soberania territorial, reagiu ordenando a partida de conselheiros militares americanos. Antes disso, autoridades paquistanesas já haviam pedido a redução das atividades da CIA, a agência de inteligência americana, no país do sul da Ásia.

Com EFE, AFP E BBC

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.