Cidade do Vaticano, 17 jan (EFE).- O papa Bento XVI pediu hoje a continuidade dos esforços para ajudar a população do Haiti, devastado por um terremoto na terça-feira, e ressaltou o trabalho de várias organizações de caridade para atender às inúmeras necessidades do país caribenho.

Aos milhares de fiéis que foram assisti-lo rezar o Ângelus na Praça de São Pedro, o pontífice disse que, desde que soube do terremoto e dos danos causados, seu pensamento está com "o querido povo do Haiti".

Bento XVI ressaltou que o núncio (embaixador) vaticano no Haiti, "que graças a Deus está bem", o mantém "constantemente informado" da situação sobre o terreno, tanto que assim soube da morte do arcebispo de Porto Príncipe, Serge Miot, de 61 anos, e de vários padres, religiosos e seminaristas.

"Acompanho e encorajo o esforço das inúmeras organizações de caridade que fazem frente às imensas necessidades do país. Rezem pelos feridos, os sem-teto e por todos os que, tragicamente, perderam a vida", declarou o papa.

No último dia 13, assim que soube do terremoto, Bento XVI manifestou sua solidariedade às vítimas da tragédia e fez um apelo "à generosidade" da comunidade internacional para que esta se mobilizasse imediatamente e não faltasse "ajuda a estes irmãos e irmãs que vivem um momento de necessidade e dor".

O terremoto de 7 graus na escala Richter aconteceu às 19h53 de Brasília da terça-feira e teve epicentro a 15 quilômetros de Porto Príncipe. A Cruz Vermelha do Haiti estima que o número de mortos ficará entre 45 mil e 50 mil.

Na quarta-feira, o primeiro-ministro do país, Jean Max Bellerive, havia falado de "centenas de milhares" de mortos.

O Exército brasileiro confirmou que pelo menos 14 militares do país que participam da Minustah morreram em consequência do terremoto.

A brasileira Zilda Arns, fundadora e coordenadora da Pastoral da Criança, ligada à Igreja Católica, e Luiz Carlos da Costa, número 2 da missão da ONU no Haiti, também morreram no tremor. Um terceiro civil, não identificado, completa a lista de vítimas fatais. EFE JL/sc

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.