Roma, 16 mai (EFE) - O papa Bento XVI mostrou hoje sua preocupação com as condições de precariedade econômica nas quais se encontram tantas famílias na Europa e pediu aos Governos aliviar o problema com adequadas políticas familiares.

A afirmação foi feita pelo pontífice ao receber os membros do Fórum italiano das famílias e a Federação européia das Associações familiares católicas.

"De muitas famílias, que estão em condições de preocupante precariedade, se ouve um grito de pedido de ajuda para os responsáveis das administrações públicas, às comunidades eclesiais e agências educativas", disse o papa em seu discurso.

Para Bento XVI, é cada vez mais "urgente" a união de todas as forças para apoiar com todos os meios possíveis as famílias do ponto de vista social, econômico, jurídico e espiritual.

Ele se dirigiu aos Governos para que promovam uma política familiar "que ofereça a possibilidade concreta aos casais de ter filhos e educá-los no seio da família".

Bento XVI elogiou a iniciativa "Impostos sob medida de família", lançada pelo Fórum italiano das famílias, que pretende sensibilizar as instituições para a necessidade de um sistema fiscal que leve mais em conta o número de pessoas que formam o núcleo familiar.

O pontífice reafirmou ainda sua rejeição a qualquer tipo de "equiparação" à família tradicional católica.

"A união de vida e amor, baseada no casamento entre um homem e uma mulher, que constitui a família, representa um insubstituível bem para a sociedade, e não deve ser confundida nem equiparada com outros tipos de união", explicou.

Além disso, citou os "desafios" que enfrentam as famílias atualmente para defender o "ideal da fidelidade, a solidez do amor conjugal, ter e educar filhos e conservar a harmonia no núcleo familiar". EFE ccg/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.