Papa pede esforço pela não-proliferação de armas nucelares

Bento 16 participou da audiência de apresentação de credenciais do embaixador do Japão diante da Santa Sé

EFE |

O papa Bento 16 pediu neste sábado à comunidade internacional que continue seus esforços pela não-proliferação de armas nucleares e o desarmamento, cujo possível uso gera "tensões e desconfiança" no mundo. Durante a audiência de apresentação de credenciais do embaixador do Japão diante da Santa Sé, Hidekazu Yamaguchi, realizada no Vaticano, o Pontífice lembrou a tragédia das bombas atômicas lançadas sobre as cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki, tragédia que completou 65 anos em 2010.

"A lembrança deste episódio obscuro da história da humanidade torna-se a cada ano mais esquecido, na medida em que desaparecem as testemunhas daquele horror. A tragédia nos lembra com insistência o quanto é preciso perseverar nos esforços em favor da não-proliferação de armas nucleares e do desarmamento", afirmou Bento 16. "As armas nucleares seguem sendo uma fonte de preocupação. Sua posse e o risco de eventual uso geram tensões e desconfiança no mundo todo", acrescentou.

O papa reconheceu o embaixador japonês pelo trabalho de seu país na busca de soluções políticas "que permitam não só impedir a proliferação de armas nucleares, mas evitar que a guerra seja considerada um meio de resolver conflitos entre as nações".

"A Santa Sé encoraja todas as nações a tecer pacientemente os laços econômicos e políticos da paz que se levantam como uma muralha contra todo pretexto de recurso às armas e que permitem promover o desenvolvimento humano integral de todos os povos", disse o Pontífice. "Uma parte do dinheiro para as armas poderia ser destinado aos projetos de desenvolvimento econômico e social, de educação e de saúde. Isto contribuirá sem dúvida à estabilidade interior dos países e entre os povos", acrescentou.

    Leia tudo sobre: nuclearenergiavaticano

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG