Papa lamenta que novos meios de comunicação não cheguem a todos

Cidade do Vaticano, 23 mai (EFE).- O papa Bento XVI afirmou hoje que seria uma tragédia que os novos instrumentos de comunicação não fossem acessíveis aos que já estão marginalizados econômica e socialmente.

EFE |

O papa expressou tal pensamento em seu discurso aos participantes do encontro sobre Universidades Católicas e Comunicação promovido pelo Pontifício Conselho para as Comunicações Sociais do Vaticano.

"Seria uma tragédia para o futuro da humanidade se os novos instrumentos de comunicação, que permitem compartilhar o conhecimento e a informação de maneira mais rápida e eficaz, não fossem acessíveis aos que já estão marginalizados econômica e socialmente", disse o papa.

Segundo o pontífice, seria igualmente grave que a tendência à globalização no mundo das comunicações "debilitasse ou eliminasse os costumes tradicionais e as culturas locais, de maneira especial as que conseguiram fortalecer os valores familiares e sociais, o amor, a solidariedade e o respeito à vida".

Por isso, mostrou seu apreço às comunidades religiosas que, "não obstante os altos custos financeiros e os inumeráveis recursos humanos, abriram universidades católicas nos países em vias de desenvolvimento".

Bento XVI avaliou ainda seu compromisso "com a oferta de uma esmerada educação para todos, independentemente da raça, condição social ou credo".

Ele indicou ainda que o papel dos meios de comunicação é o de "promover a justiça e a solidariedade", assim como respeitar "o valor e a dignidade de cada pessoa". EFE ccg/gs

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG