Papa faz histórico pedido de desculpas em Sydney por abusos sexuais de sacerdotes

O papa Bento XVI emitiu neste sábado um histórico pedido de desculpas pelos abusos sexuais dos sacerdotes pedófilos e em uma forte mensagem pediu que sejam levados à justiça, um dia antes de encerrar em Sydney as Jornadas Mundiais da Juventude (JMJ) com uma grande missa.

AFP |

Pela primeira vez, o pontífice não se limitou a expressar sua vergonha, pedindo desculpas explícitas pelos abusos dos clérigos homossexuais, tema que nos últimos anos comprometeu a credibilidade da Igreja Católica e provocou protestos em diferentes partes do mundo.

"Lamento profundamente a dor e o sofrimento suportado pelas vítimas, e lhes asseguro que, como seu pastor, compartilho de seu sofrimento", disse ao pronunciar o esperado pedido de desculpas, em uma missa com bispos, seminaristas e noviços na catedral de Santa Maria em Sydney.

Esse pedido de desculpas foi adicionado ao texto da homilia enviado com antecedência à imprensa pelo Vaticano.

A imprensa australiana deu grande destaque ao tema dos abusos sexuais cometidos pelos clérigos neste país, enquanto as vítimas intensificavam as exigências por um pedido de desculpas.

"Desejo fazer uma pausa para reconhecer a vergonha que todos sentimos como resultado dos abusos sexuais de menores por parte de clérigos e religiosos neste país", afirmou o Papa, de 81 anos, acrescentando que essas "maldades" merecem "uma condenação inequívoca".

"As vítimas devem receber compaixão e atenção e os responsáveis por esses males devem ser levados à justiça", indicou Bento XVI, que já havia abordado o tema dos religiosos pedófilos nos Estados Unidos ao visitar esse país em abril e expressar sua vergonha, mas sem emitir um pedido de desculpas formal.

"Casos como esses não ocorrerão mais. A pedofilia é incompatível com o ministério sacerdotal. Sinto profunda vergonha por isso", havia declarado então.

O primeiro pontífice a tratar o espinhoso tema foi João Paulo II em 2002, quando condenou o flagelo.

Nos Estados Unidos, estima-se que entre 4.000 e 5.000 sacerdotes abusaram sexualmente de cerca de 14.000 crianças e adolescentes. A Igreja já pagou cerca de 3 bilhões de dólares em indenizações.

Na Austrália, o Broken Rites, grupo de apoio às vítimas de abusos sexuais, assegura que 107 clérigos católicos foram condenados por tal motivo, enquanto outros processos estão em curso.

A ONG reagiu neste sábado com irritação. "As desculpas podem ser um começo, mas queremos ver mais (...) queremos um tratamento justo para as vítimas", disse seu porta-voz Chris MacIsaac.

Os prelados australianos haviam apresentado seu pedido de desculpas em 2002 e ordenado a formação de um comitê para investigar os casos.

Enquanto isso, centenas de milhares de peregrinos realizaram uma marcha de 9 km do norte de Sydney, passando pela famosa ponte sobre a Baía, até o hipódromo de Randwick, onde na noite deste sábado permanecerão em vigília à espera da missa de domingo de manhã que encerrará as jornadas.

Diante das 200.000 pessoas com velas nas mãos na vigília, o Papa pediu unidade no momento em que "a sociedade hoje está sendo fragmentada por uma maneira de pensar que inerentemente carece de visão de futuro".

"A unidade é a essência da Igreja", ressaltou.

Ao final da missa de domingo, que deverá ser assistida por meio milhão de pessoas, Bento XVI anunciará a sede das Jornadas Mundiais da Juventude de 2011. Madri e as brasileiras Rio de Janeiro e Belo Horizonte são as candidatas com mais chances.

du/dm/nh/

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG