Papa entrega anel aos novos cardeais e destaca missão de paz da Igreja

Bento 16 pede a cardeais que fiquem "profundamente unidos" para trabalhar "só pensando na Cruz, o que não é fácil"

EFE |

O papa Bento 16 concedeu neste domingo o anel cardinalício aos 24 novos cardeais durante uma missa solene, na qual ressaltou a missão da Igreja de transformar a Terra e desejou que nela germine a paz e a justiça. No dia em que a Igreja celebra a festa de Cristo Rei, Bento 16 pronunciou uma homilia na Basílica de São Pedro na qual disse que seu Ministério está baseado na fé em Cristo e que, por isso, seu trabalho é "difícil", pois "não se alinha" à maneira de pensar dos homens.

"Este Ministério é difícil, já que não se alinha ao modo de pensar dos homens, essa lógica natural que, por outro lado, permanece sempre ativo em nós", assinalou o Pontífice. Segundo ele, ter fé em Cristo "transforma toda a vida".

Bento 16 ressaltou que o papa e os cardeais devem ficar "profundamente unidos" para dedicar a vida a Cristo e para trabalhar "só pensando na Cruz, o que não é fácil". "Nisto temos de ser compactos, já que estamos unidos por uma ideia, uma estratégia, o amor por Cristo. Por isso, no anel que lhes entrego, selo vosso pacto nupcial com a Igreja", declarou o papa aos novos purpurados, entre eles o brasileiro dom Raymundo Damasceno Assis, de 73 anos, arcebispo de Aparecida.

AP
Papa Bento 16 lê mensagem a cardeais reunidos para dia de reflexão no Vaticano
O Pontífice lembrou também aos cardeais sobre a cor vermelha do hábito que eles usam, que "alude ao sangue, símbolo da vida e do amor".

Após a homilia, diante de aproximadamente 7 mil pessoas que lotavam o templo, Bento 16 procedeu à imposição dos anéis.

"Recebe este anel pelas mãos de Pedro e saibas que, com o amor do príncipe dos Apóstolos, se reforça teu amor para a Igreja", pronunciou o papa em latim enquanto colocava o anel em cada um dos 24 novos cardeais, que em seguida beijaram o anel de Bento 16.

O anel concedido neste domingo é o segundo símbolo do ordenamento cardinalício. O primeiro foi o capelo, entregue pelo papa aos purpurados neste sábado. Na cerimônia solene deste sábado, Bento 16 declarou que, na Igreja, "ninguém é dono" e que, quem quer "ser grande e o primeiro", será "escravo de todos, servo de todos".

Uma vez recebido o capelo e o anel, os cardeais tomarão posse nas próximas semanas das igrejas de Roma que foram a eles atribuídas pelo papa, simbolizando assim a participação dos purpurados no cuidado da Cidade Eterna, da qual Bento 16 é Bispo.

Dos 24 cardeais, 15 são europeus - dez italianos, dois alemães, um espanhol, um suíço e um polonês -, dois latino-americanos - o brasileiro e um equatoriano -, dois americanos, quatro africanos e um asiático. Com essa disposição, o papa quis que cada sede estivesse representada em um eventual

Conclave

Por isso, os arcebispos de Toledo e Sevilha (Espanha), Nova York, Rio de Janeiro, Baltimore, Bruxelas, Praga, Utrecht, Turim e Florença terão de esperar por outro consistório, já que os cardeais destas cidades ainda têm menos de 80 anos.

Após as novas nomeações, o Colégio Cardinalício - conhecido como o clube mais seleto do mundo - fica composto por 203 cardeais, dos quais 121 podem participar de um Conclave por terem menos de 80 anos.

    Leia tudo sobre: papacardeais

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG