Juan Lara Cidade do Vaticano, 11 jul (EFE).- O papa Bento XVI pedirá aos milhares de jovens com os quais se reunirá como em um cenáculo em Sydney (Austrália) que conheçam o Espírito Santo, esse grande desconhecido, que sejam missionários e que participem da nova evangelização do mundo, especialmente da Oceania.

Esses pontos fazem parte de sua mensagem por ocasião da 23ª Jornada Mundial da Juventude, que o pontífice presidirá entre os próximos dias 17 e 21 na cidade australiana e que tem como lema: "Recebereis uma força, a do Espírito Santo, que descerá sobre vós; e sereis minhas testemunhas".

O bispo de Roma está convencido de que a Jornada Mundial da Juventude será uma "Pentecostes renovada", já que há vários anos as comunidades cristãs se preparam seguindo a promessa que Jesus fez a seus discípulos após a ressurreição: "O Espírito Santo infunde nos crentes a capacidade de ser testemunhas de Jesus e de seu Evangelho".

O papa considera que o Espírito Santo é o maior presente de Deus ao homem, "o testemunho supremo de seu amor por todos".

Bento XVI lamentou, no entanto, o fato de não serem poucos os cristãos que falam do Espírito Santo como "esse grande desconhecido". Após fazer um convite para que o conheçam, o pontífice encoraja os jovens a acolhê-lo como guia de suas almas.

Em sua mensagem, o bispo de Roma expressou tristeza diante dos vários casos de jovens que se afastam da fé cristã e de outros que não recebem o "sacramento da Confirmação".

"Hoje é muito importante descobrir o sacramento da Confirmação e encontrar novamente nosso crescimento espiritual. Quem for batizado e não o tiver recebido ainda deve preparar-se para fazê-lo e assim se transformar em um cristão confirmado, já que a Confirmação aperfeiçoa a graça batismal", assegurou o pontífice.

A esse respeito, Bento XVI convocou os fiéis para que "descubram" a beleza de ser batizados no Espírito Santo.

"Devemos ter consciência de nosso batismo e de nossa Confirmação, mananciais de graças sempre atuais", disse, durante a última festa de Pentecostes, celebrada em memória da descida do Espírito Santo aos apóstolos.

Bento XVI espera que os jovens de todo o mundo - oriundos de 77 países - se reúnam com ele em Sydney "como em um cenáculo", invocando intensamente o Espírito Santo "para que inunde os corações de luz interior, de amor por Deus e pelos irmãos, de alegria de viver e de testemunho do Evangelho".

Esta será a nona viagem internacional do pontífice, a primeira à Austrália e que começa neste sábado, com o embarque de Bento XVI no Aeroporto Internacional Leonardo da Vinci, em Roma, rumo a Sydney.

O papa chegará a um país onde os católicos respondem por apenas 27,56% do total da população - 20,7 milhões de habitantes -, segundo dados divulgados pelo Vaticano.

A sociedade australiana, segundo comentou Bento XVI em sua mensagem aos jovens, é muito secularizada, e, como o resto da Oceania, "precisa descobrir suas raízes cristãs".

A nova evangelização da Oceania, ressaltou o papa, é uma prioridade para a Igreja.

O bispo de Roma encorajou os jovens para que sejam missionários e proclamem o Evangelho em um mundo "marcado por vários e graves sofrimentos e injustiças".

A Jornada Mundial da Juventude foi criada em 1984, quando, após concluir o Ano Santo da Redenção, João Paulo II entregou uma cruz de madeira de quatro metros de altura aos mais jovens. Convidou-os na ocasião a conduzi-la por todo o mundo.

Desde então edições da Jornada Mundial foram realizadas em Roma (1985), Buenos Aires (1987), Santiago de Compostela (Espanha, em 1989), Czestochowa (Polônia, em 1991), Denver (Estados Unidos, em 1993), Manila (1995), Paris (1997), Roma (2000), Toronto (Canadá, em 2002) e Colônia (Alemanha, em 2005).

Até Toronto, o evento era realizado de dois em dois anos. A Jornada Mundial de Colônia foi já aos três anos, mesmo tempo de intervalo definido para a cidade australiana.

A "Cruz dos Jovens" de João Paulo II, como ficou conhecida, já se encontra em Sydney, após percorrer toda a Austrália. EFE JL/fr

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.