Papa diz que Igreja deve cumprir penitência por casos de abuso

CIDADE DO VATICANO - Em um sermão nesta quinta-feira, o papa Bento 16 afirmou que é preciso que os cristãos façam penitência em meio aos ataques que a Igreja Católica tem enfrentado em todo o mundo. Apesar de o pontífice não ter se referido de forma direta aos casos de abusos sexuais cometidos por religiosos contra crianças, o sermão representou a primeira vez que ele se referiu às críticas à atitude negligente da mais alta hierarquia da Igreja Católica perante as denúncias sobre padres pedófilos.

iG São Paulo |

Por causa da indignação provocada pela revelação de inúmeros casos de padres pedófilos na Igreja, o pontífice pediu aos cristãos que façam penitência e reconheçam os erros cometidos.

"Nós cristãos nos últimos tempos temos evitado a palavra penitência, que parecia dura, mas agora, sob os ataques do mundo, que nos falam dos nossos pecados, vemos que poder fazer penitência é uma graça, vemos como é necessário fazer penitência", afirmou o papa durante uma cerimônia na Capela Paulina, no Vaticano.

"Abrir-se ao perdão, preparar-se ao perdão, e se deixar transformar. A dor da penitência, isto é, da purificação e da transformação, essa dor é graça, porque é renovação, obra da Misericórdia divina."

AFP
Papa Bento XVI

Papa Bento 16

A inesperada homilia foi feita ante os membros da Comissão Bíblica e foi em boa parte improvisada. Bento 16 havia evitado falar dos escândalos durante a semana passada na Santa Sé.

O pronunciamento foi interpretado como uma espécie de mea culpa do papa, explicou à AFP o vaticanista Bruno Bartoloni. "Não é uma declaração solene, mas uma espécie de mea culpa. O papa disse que sente profundamente toda essa tormenta, no coração", acrescentou.

Ditaduras

O papa falou sobre penitência ao refletir sobre a primazia da obediência a Deus, que concedeu a Pedro a liberdade de se opor ao Sinédrio, a corte suprema judia, que tinha a missão de administrar a justiça aplicando a Torá, a Lei de Moisés.

"É preciso obedecer a Deus e não aos homens. A obediência a Deus dá a Pedro a liberdade de se opor à suprema instituição religiosa. Nos tempos modernos, teorizou-se a liberação do homem, inclusive da obediência a Deus, o homem seria livre, autônomo e nada mais. Mas isso é uma mentira, que a chamada autonomia não libera o homem", disse Bento 16.

Na homilia o papa disse que, as "ditaduras nazista e marxista", que não podiam aceitar um Deus sobre o poder ideológico, não existem mais, mas há outras formas de ditaduras.

"Hoje, graças a Deus, não vivemos em ditaduras, mas existem formas mais sutis de ditaduras, um conformismo que leva a agir como agem todos e pode ser uma verdadeira ditadura", afirmou.

Sob pressão

Bento 16 chegou a ser acuado pela imprensa alemã de ter acobertado um padre pedófilo quando era arcebispo de Munique. Também sofreu denúncias da imprensa americana de que teria se recusado a punir um padre acusado de abusos quando era prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, antes de ser eleito pontífice, em 2005.

As declarações do papa ocorrem três dias depois de o Vaticano ter publicado em seu site um guia de normas a serem seguidas em casos de acusações de abuso sexual contra sacerdotes.

Embora as regras não sejam novas, a divulgação do texto reflete a determinação da Igreja Católica Romana de rebater as críticas de que sua reação aos escândalos de abusos sexuais vem sendo burocrática, sigilosa e defensiva.

*Com informações da BBC, AFP e Reuters

Leia também:


Leia mais sobre Igreja Católica  e Vaticano

    Leia tudo sobre: igreja católicavaticano

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG