Papa diz que ciência precisa da fé para compreender realidade

Cidade do Vaticano, 6 jan (EFE).- O papa Bento XVI afirmou hoje que a ciência, por si só, não basta para compreender a realidade que só pode ser apreendida através da unidade entre inteligência e fé, ciência e revelação, que foram as duas luzes que guiaram os Reis Magos a Belém.

EFE |

Após a missa da Epifania do Senhor realizada na Basílica de São Pedro, o papa rezou Ângelus diante de cerca de 6 mil pessoas na praça do mesmo nome, onde há um enorme presépio.

Bento XVI reafirmou a necessidade de uma ciência que não seja "autossuficiente", aberta a "posteriores revelações e chamadas divinas".

Explicou que os Reis Magos "eram modelos dos autênticos buscadores da verdade" e "sábios", mas não se envergonharam de pedir instruções aos chefes religiosos da Judéia para chegar a Belém.

Os Reis Magos, que observavam os astros e conheciam a história dos povos, "tinham necessidade das indicações dos sacerdotes e dos escribas para saber exatamente o lugar para onde ir", explicou.

"Eram homens de ciência em um sentido amplo, que observavam o cosmos e o consideravam praticamente como um grande livro cheio de sinais e mensagens de Deus para o homem", disse.

Seu saber, portanto, longe de considerá-lo autossuficiente, estava aberto a posteriores revelações e chamadas divinas, tanto quanto para não se envergonhar de pedir instruções, afirmou o papa.

Portanto, os Reis Magos - segundo o papa - são exemplo de unidade entre inteligência e fé.

O Ângelus do dia da Epifania do Senhor foi fechado com uma invocação à Virgem Maria, "modelo de verdadeira sabedoria", para que ajude os homens a "serem autênticos buscadores de Deus, capazes de viver na profunda sintonia entre razão e fé, ciência e revelação".

Depois, o papa cumprimentou as Igrejas Orientais que amanhã comemoram o nascimento de Jesus. EFE cps/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG