Papa diz que amor ao próximo não pode ser substituído pelo Estado

Cidade do Vaticano, 6 mar (EFE).- O papa Bento XVI disse hoje que o amor ao próximo não pode ser delegado e que o Estado e a política, apesar de seus esforços para assegurar o bem-estar, não podem substituí-lo.

EFE |

A afirmação do pontífice foi feita durante uma audiência com membros e voluntários da Defesa Civil italiana, na qual elogiou o trabalho da instituição e definiu seus integrantes como "pessoas que ajudam a delinear a face humana e cristã da sociedade".

Bento XVI lembrou uma passagem de sua primeira encíclica - "Deus caritas est" ("Deus é amor"), de 2006 -, na qual dizia que "o amor sempre será necessário, inclusive na sociedade mais justa".

"Sempre existirá o sofrimento que precisa de consolo e ajuda.

Sempre existirá a solidão ou situações de necessidade material nas quais será indispensável uma ajuda na linha de um amor concreto do próximo".

Essas circunstâncias, destacou o papa, sempre vão requerer "compromisso pessoal e voluntário".

"Sem o voluntariado, o bem comum e a sociedade não conseguem perdurar, já que seu progresso e sua dignidade dependem, em grande medida, daquelas pessoas que fazem mais do que é seu estrito dever", concluiu o pontífice. EFE ebp/sc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG