Papa diz na Itália que Igreja tem direito de emitir opiniões

ROMA (Reuters) - O papa Bento 16 fez uma visita oficial à Itália neste sábado e garantiu aos líderes italianos que a Igreja não tem nenhuma intenção de impor sua vontade em assuntos políticos, mas defendeu o direito da instituição de se expressar em questões sociais. Não há razão para temer que a Igreja e seus membros queiram se impor e limitar a liberdade, disse o pontífice, de 81 anos, em pronunciamento no Palácio Quirinale, ocupado pelo presidente da Itália, Giorgio Napolitano.

Reuters |

"(Os membros da Igreja) também esperam ter a liberdade de não trair sua consciência iluminada pelo Evangelho", disse ele, acrescentando que os católicos devem ter permissão para "fazer sua parte na construção da ordem social".

O Vaticano manteve algumas vezes um relacionamento tenso com governos italianos de tendência esquerdista nos últimos anos em questões éticas como uniões homossexuais, pesquisas sobre células-tronco e o papel das escolas católicas no país. Mas tem um contato mais direto com a atual administração de centro-direita, do primeiro-ministro Silvio Berlusconi, embora o Vaticano expresse preocupação sobre alguns dos aspectos da repressão do governo à imigração.

O papa acenou para a multidão durante o trajeto em carro aberto entre o Vaticano e o Palácio Quirinale, onde foi recebido por Napolitano e se encontrou com Berlusconi e seus principais ministros.

Napolitano disse que o relacionamento entre a Igreja e o Estado na Itália é de "mútuo respeito e colaboração", no momento em que o país se prepara para celebrar os 150 anos da unificação italiana.

(Reportagem de Gavin Jones)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG