Papa defende indissolubilidade do casamento e pede que Estados ajudem família

Juan Lara. Nazaré, 14 mai (EFE).- O papa Bento XVI defendeu hoje em uma grande missa em Nazaré a indissolubilidade do casamento e pediu aos Governos que apóiem a família, como pilar básico da sociedade, em sua missão educadora e para que possa viver e florescer em condições de dignidade.

EFE |

O pontífice exigiu também que se reconheça e respeite a dignidade da mulher, "assim como seu carisma e talento", na missa que celebrou no Monte do Precipício, nos arredores de Nazaré, para cerca de 40 mil pessoas procedentes de toda a Terra Santa e de outros países.

Nazaré, conhecida como a "Flor da Galiléia", está 120 quilômetros ao norte de Jerusalém. A cidade possui 70 mil habitantes, dos quais 40 mil são árabes, e 30% da população é formada por cristãos.

Depois de expressar sua satisfação por estar na cidade de Maria, José e Jesus, o papa disse que é preciso seguir o exemplo da Sagrada Família e apreciar cada vez mais a santidade da família, "que se baseia na fidelidade para toda a vida de um homem e uma mulher, consagrada no pacto conjugal e aberta ao dom da vida".

"É necessário que os homens e mulheres de nosso tempo voltem a se apropriar desta verdade fundamental (a família), que é a base da sociedade, e é importante que os casais se esforcem para construir a sociedade do amor", afirmou o Pontífice.

Bento XVI assegurou que a família é a primeira escola da sabedoria, "que educa seus membros naquelas virtudes que levam à felicidade autêntica e a uma duradoura satisfação", e disse que a missão dos pais é garantir a seus filhos uma formação humana e espiritual completa.

"A família é a perda fundamental de uma sociedade bem ordenada e acolhedora. O Estado deve protegê-la e a apoiá-la em sua missão educadora, e garantir seus direitos e conseguir que todas as famílias possam viver em condições de dignidade", manifestou.

O pontífice manifestou que, estando na cidade da Anunciação, seu pensamento estava em Maria, e que Nazaré lembra o "dever de reconhecer e respeitar a dignidade e o trabalho da mulher, assim como seu carisma e talento".

Para o papa, a mulher - tanto como mãe como na vida profissional ou na dedicada ao Senhor (religiosas) - "tem um papel indispensável para criar o ambiente que o mundo necessita urgentemente, um ambiente no qual as crianças aprendam a amar e a apreciar os outros e a ser honrados e respeitosos com todos, e a praticar a virtude da misericórdia e o perdão".

Bento XVI também se referiu aos jovens, aos quais pediu, seguindo o exemplo de Jesus, que respeitem e ajudem seus pais.

Nazaré foi palco de graves choques entre cristãos e muçulmanos quando estes propuseram erguer uma mesquita ao lado da Basílica da Anunciação, em um terreno municipal que consideravam propriedade do Islã.

O papa pediu hoje que as duas comunidades "percebam o dano causado e encontrem maneiras de conviver pacificamente".

"Todos devem rejeitar o poder destrutivo do ódio e do preconceito, que matam a alma antes do corpo", disse o papa, que voltou a apresentar palavras que enfatizam o diálogo, a reconciliação e a solidariedade.

Segundo a tradição cristã, Jesus foi conduzido ao Monte do Precipício para ser assassinado. Atualmente, o lugar abriga ruínas de um pequeno mosteiro do século IX.

O bispo de Roma, que chegou ao local no "papamóvel", foi recebido com alegres cantos em árabe, música popular e ininterruptos gritos de boas-vindas a Nazaré.

Neste dia dedicado à Galiléia, o papa visitará a Gruta da Anunciação, local onde, de acordo com a tradição cristã, o arcanjo Gabriel anunciou a Maria que ela seria a mãe de Jesus.

Depois se reunirá com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, e se encontrará com bispos, sacerdotes e movimentos eclesiais da Galiléia. EFE JL/mh

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG