consumismo por fome no mundo - Mundo - iG" /

Papa culpa consumismo por fome no mundo

Roma, 16 out (EFE).- O papa Bento XVI citou hoje o consumismo, a especulação desenfreada, a corrupção e o investimento em tecnologia militar como algumas das causas da existência de fome no mundo, em mensagem enviada a Jacques Diouf, diretor-geral da FAO.

EFE |

Na mensagem, emitida por ocasião do Dia Mundial da Alimentação em 2008, ele ressaltou que há vários motivos para explicar por que coexistem "a abundância e a penúria".

Entre eles estão "a corrida pelo consumo que não se detém apesar de uma menor disponibilidade de alimentos" ou a falta de determinação "para frear o egoísmo dos Estados e grupos de países para pôr fim à especulação desenfreada que afeta aos mecanismos de preço e consumo", explicou o papa.

Acrescentou, como fatores secundários para a existência da fome, "a falta de uma adequada administração dos recursos alimentícios causados pela corrupção na vida pública e o investimento crescente em armas sofisticadas e em tecnologia militar, em detrimento das principais necessidades das pessoas".

Bento XVI atacou "o atual interesse por conseguir bens materiais, esquecendo a verdadeira natureza da pessoa humana e suas aspirações mais profundas".

"O resultado é, infelizmente, a incapacidade de cumprir com muitas necessidades de apoio dos pobres, e de compreender e não negar sua dignidade inalienável".

"Uma campanha eficaz contra a fome -continuou- exige muito mais do que um estudo científico para abordar a mudança climática ou os destinados principalmente à produção agrícola".

Bento XVI defendeu "um compromisso com a promoção da justiça social nas relações entre os povos, que exige a toda pessoa ser consciente de que os bens da criação estão destinados a todos".

Quanto à comunidade mundial, "a economia deve estar orientada à distribuição desses bens para sua utilização sustentável e distribuição justa dos benefícios".

"Uma condição essencial para aumentar os níveis de produção e garantir a identidade das comunidades indígenas, e também a paz e a segurança no mundo, é garantir o acesso à terra, e portanto, promover aos trabalhadores agrícolas seus direitos", alegou. EFE cps/jp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG