rebatizada de gripe A H1N1) poderia infectar cerca de 2 bilhões de pessoas em todo o mundo, ou um terço da população do planeta, caso tivesse dois anos de duração. Em uma entrevista coletiva nesta quinta-feira, o diretor-geral assistente da OMS, Keiji Fukuda, afirmou que, baseado em registros de outras pandemias, é possível dizer que muitas pessoas seriam afetadas pelo vírus." / rebatizada de gripe A H1N1) poderia infectar cerca de 2 bilhões de pessoas em todo o mundo, ou um terço da população do planeta, caso tivesse dois anos de duração. Em uma entrevista coletiva nesta quinta-feira, o diretor-geral assistente da OMS, Keiji Fukuda, afirmou que, baseado em registros de outras pandemias, é possível dizer que muitas pessoas seriam afetadas pelo vírus." /

Pandemia de gripe suína poderia infectar 2 bilhões, diz OMS

A Organização Mundial de Saúde (OMS) afirmou, nesta quinta-feira, que uma eventual pandemia de de gripe suína (http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2009/04/30/oms+decide+mudar+nome+da+gripe+suina+5867916.html target=_toprebatizada de gripe A H1N1) poderia infectar cerca de 2 bilhões de pessoas em todo o mundo, ou um terço da população do planeta, caso tivesse dois anos de duração. Em uma entrevista coletiva nesta quinta-feira, o diretor-geral assistente da OMS, Keiji Fukuda, afirmou que, baseado em registros de outras pandemias, é possível dizer que muitas pessoas seriam afetadas pelo vírus.

BBC Brasil |

  • Saiba mais: tire suas dúvidas sobre a "gripe suína"
  • Está nas áreas atingidas? Mande seu relato ao Minha Notícia
  • Saiba quais os sintomas e as recomendações do Ministério da Saúde
  • "Se olharmos para os registros de outras pandemias, é possível dizer que um terço da população do mundo poderia ser infectada pela doença. É difícil falar com antecedência, mas é uma estimativa razoável", disse Fukuda.

    Fukuda afirmou que a grande preocupação da OMS é que, embora a grande maioria dos casos até agora seja branda, uma pandemia do vírus poderia causar a morte de muitas outras pessoas.

    "Uma das questões para o futuro é o que acontecerá com o vírus, se ele vai se modificar nos próximos dias, semanas ou anos, tornando-se mais perigoso".

    Ele, no entanto, afirmou é "prematuro" fazer qualquer previsão sobre o número de pessoas que poderia morrer no caso de uma pandemia.

    "Não é possível fazer previsões até que se saiba exatamente qual é a proporção de pessoas infectadas que venham a morrer. É precipitado fazer este tipo de previsão".

    "Um ponto que é importante é que não quero que vocês saiam daqui dizendo que há uma estimativa de que 2 bilhões de pessoas serão infectadas até o ano que vem ou algo do tipo. O que estou dizendo é que, no passado, quando tivemos pandemias, aproximadamente um terço das pessoas foi infectada. Mas vivemos em um mundo diferente. (Não sabemos) se será a mesma coisa, maior ou menor. Não interpretem isso como uma previsão do futuro" disse.

    Hemisfério Sul

    O diretor-assistente da OMS também afirmou que a organização está atenta para a situação do Hemisfério Sul, que entrará em breve na estação do inverno, uma época em que o vírus da influenza se torna mais ativo.

    Ele afirmou que o fato de o Hemisfério Sul ter populações mais jovens em países em desenvolvimento pode tornar a região mais vulnerável à doença.

    Segundo ele, fatores como a desnutrição, guerras e infecções pelo vírus HIV podem fazer com que estas populações sejam mais suscetíveis a contrair a gripe.

    Brasil e Argentina

    O último relatório divulgado pela Organização Mundial de Saúde - às 15h de Brasília desta quinta-feira - aponta que foram confirmados 2.371 casos de gripe suína em 24 países. Foram registradas 44 mortes, sendo 42 no México e duas nos Estados Unidos.

    Estes números, no entanto, não incluem os quatro primeiros casos da doença registrados no Brasil , que foram confirmados algumas horas depois, em uma coletiva de imprensa, pelo ministro da Saúde, José Gomes Temporão.

    Segundo o ministro, dois casos confirmados de gripe suína foram registrados em São Paulo, um no Rio de Janeiro e um em Minas Gerais.

    Todos os infectados seriam adultos jovens e já estariam passando bem. Três dos pacientes teriam contraído a doença em viagens ao México, enquanto outro teria entrado em contato com o vírus em uma viagem aos Estados Unidos.

    Temporão ressaltou também que não há evidências de que o vírus esteja circulando pelo país. Os resultados dos exames para outros 15 casos suspeitos devem ser divulgados nesta sexta-feira.

    Também nesta quinta-feira, a Argentina confirmou seu primeiro caso de gripe suína.

    Segundo a ministra da Saúde argentina, Graciela Ocaña, a vítima seria um homem que voltou de uma viagem ao México no último dia 25 de abril, uma semana antes de a Argentina suspender os voos ao país.

    O paciente estaria bem e já teria saído do hospital.

    Leia também:

    Entenda a "gripe suína"

    Leia mais sobre: gripe suína

      Leia tudo sobre: gripe suína

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG