Pamela Anderson acusa Áustria de perseguir defensores dos animais

Viena, 13 mai (EFE).- A atriz americana Pamela Anderson saiu em defesa de um grupo de defensores dos animais acusados na Áustria de uma série de atentados contra lojas de roupa.

EFE |

A imprensa local divulgou hoje a carta enviada pela atriz à ministra da Justiça austríaca, Claudia Bandion-Ortner, na qual exige o fim das "vergonhosas acusações" contra o grupo de defensores dos animais.

Pamela Anderson defende dez ativistas acusados em 2007 de formar uma organização criminosa.

A atriz, que no próximo sábado participará de uma cerimônia em Viena para arrecadar fundos para a luta contra a aids, é diretora honorária da organização defensora dos direitos dos animais People for the Ethical Treatment of Animals (PETA).

Anderson afirma que as autoridades austríacas estão abusando de uma disposição da lei antiterrorista ao tachar de organização criminosa uma associação que luta contra as instalações inadequadas para a criação de gado.

Os dez ativistas foram detidos em maio de 2007 e passaram vários meses em prisão preventiva sob a acusação de cometer atentados contra lojas de roupa entre 2000 e 2008, que geraram danos materiais que superam os 600 mil euros. EFE wr/mh

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG