Palin promete combater poder estabelecido nos EUA

St Paul (EUA), 3 set (EFE).- A candidata republicana à Vice-Presidência dos Estados Unidos, Sarah Palin, se apresentou hoje como uma pessoa normal que quer chegar à Casa Branca para servir ao povo.

EFE |

Palin, governadora do Alasca, discursou esta noite na Convenção Republicana em St Paul, no estado do Minnesota, onde aceitou formalmente a candidatura de seu partido à Vice-Presidência.

"Aceito o desafio de uma dura batalha eleitoral", disse Palin. A governadora do Alasca foi escolhida na semana passada para formar chapa com o candidato à Presidência John McCain nas eleições de 4 de novembro.

O discurso era o mais esperado até agora na Convenção Republicana, por ser uma oportunidade para a governadora, uma completa desconhecida até agora, se apresentar e responder a uma série de revelações sobre sua vida que geraram dúvidas sobre sua experiência e o processo que ocorreu para selecioná-la.

Palin se defendeu das recentes críticas, entre elas a gravidez de sua filha de apenas 17 anos, e afirmou que aprendeu muito na última semana sobre a vida política dos EUA.

"Aprendi nos últimos dias que apenas o fato de não fazer parte da elite em Washington é suficiente para que parte da imprensa considere o candidato desqualificado", afirmou Palin, que antes de governar o Alasca foi prefeita da localidade de Wasilla, que tem menos de 7.000 habitantes.

"Mas eu não vou a Washington para agradar a opinião pública, vou a Washington para servir ao povo deste país", acrescentou.

Em seu discurso, Palin se apresentou como uma mulher normal, que combina as tarefas na associação de pais da escola de seus filhos com o trabalho.

"Nossa família tem os mesmos altos e baixos de qualquer outra (...) os mesmos desafios e as mesmas alegrias", declarou a governadora, cujo filho mais novo, Trig, de apenas 4 meses, tem síndrome de Down.

Palin exibiu também as credenciais de reformista com as quais surgiu na campanha republicana.

"A política não é só um jogo de partidos e interesses. A razão correta é desafiar o poder estabelecido, servir o bem comum e deixar o país melhor que como o encontramos", afirmou.

"Prometo a todos os americanos que me comportarei de acordo com esse espírito como vice-presidente. É o espírito que me levou a ser governadora, quando combati a velha política de sempre no Alasca, quando combati os interesses especiais e as grandes petrolíferas", sustentou.

Palin também não economizou elogios a McCain em seu discurso: "Na política, há certos candidatos que usam a mudança para promover suas carreira. E há outros, como John McCain, que usam suas carreiras para promover a mudança".

Em seu discurso, a governadora do Alasca não poupou críticas ao candidato democrata, Barack Obama.

"Obama escreveu dois livros de memórias, mas não escreveu uma só lei ou reforma importante, nem sequer no Illinois, onde começou sua carreira", afirmou.

"Um grande orador pode nos inspirar com suas palavras durante uma temporada. John McCain nos inspirou com seus atos durante toda uma vida", afirmou a governadora.

No final do discurso, seus familiares se juntaram a Palin no palco, e McCain uniu-se a eles em uma aparição surpresa.

"Não acreditam que fiz a escolha correta para a próxima vice-presidente? Que família linda!", disse McCain. EFE mv/mh

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG