Palestinos temem que investigação de Olmert possa afetar processo de paz

Ramala, 11 mai (EFE).- O chefe de negociação palestina, Ahmed Qorei, manifestou hoje seus temores de que a atual investigação criminal do primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, possa afetar as possibilidades de se conseguir um acordo de paz.

EFE |

"A investigação poderia afetar o processo de negociação entre israelenses e palestinos", declarou Qorei à emissora "Voz da Palestina".

Saeb Erekat, negociador e assessor do presidente palestino, Mahmoud Abbas, afirmou que caso ocorresse uma antecipação das eleições em Israel isto significaria o fim das negociações.

Israel e a Autoridade Nacional Palestina (ANP) retomaram o processo de paz em dezembro passado, um mês depois da conferência de Annapolis, promovida pelos Estados Unidos, onde se comprometeram a redobrar seus esforços para conseguir um acordo definitivo antes do final deste ano.

Erekat explicou que a ANP deseja "um acordo de paz global" que inclua as questões mais espinhosas do conflito, as fronteiras finais do futuro Estado palestino, os assentamentos, os refugiados os prisioneiros, além da questão da capital, que seria Jerusalém.

Olmert anunciou na última quinta que renunciaria ao cargo caso fosse acusado formalmente, depois da iniciação de uma investigação recente motivada por suspeitas de suborno.

As investigações focam na entrega de centenas de milhares de dólares para Olmert pelo empresário americano Morris Talansky, quando o atual primeiro-ministro israelense era, no final dos anos 90, prefeito de Jerusalém.

Olmert reconheceu ter recebido dinheiro de Talansky, mas assegurou que o destinou para o financiamento de sua candidatura e não para que o empresário conseguisse algum cargo público. EFE sar/bm/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG