Palestina e israelense trocam emails em meio a conflito

Em meio ao conflito entre israelenses e palestinos, a BBC publica a troca de correspondência entre duas mulheres, moradoras de lados opostos da fronteira. Anav Silverman é uma jovem israelense, estudante de literatura inglesa e ciências políticas na universidade de Bar Ilan, que trabalha na cidade de Sderot, alvo comum de foguetes lançados por militantes palestinos.

BBC Brasil |

Mona Yousef é uma jovem palestina, formada em literatura inglesa, que trabalha como tradutora no norte da Faixa de Gaza, palco constante de ações do Exército israelense.

Veja abaixo a troca de emails entre as duas por meio do site da BBC:
De Anav para Mona
"Querida Mona,
Eu espero que as coisas estejam mais calmas quando você ler esta mensagem.

A guerra é devastadora para todos e eu mesma tenho passado por essa experiência infernal desde o ano passado.

Quero dizer a você que do meu lado, em Sderot, eu vejo o mesmo tipo de dor, trauma e morte que você descreveu em seu email.

A resistência do (grupo militante islâmico) Hamas não é "simbólica" para os israelenses que vivem no sul de Israel.

Pegue o exemplo de Osher Twito. Esse garoto de oito anos de idade não pode mais andar porque estilhaços da explosão de um foguete atingiram sua perna esquerda, que teve de ser amputada.

Sderot já foi uma cidade de 24 mil habitantes. Esses "foguetes caseiros" forçaram cerca de 5 mil pessoas a procurar outro lugar para viver nos últimos sete anos.

Apesar de as armas dos grupos terroristas palestinos não terem tecnologia e serem baratas, elas causaram muita devastação para os israelenses nesta região, como qualquer armamento militar avançado causaria.

Eu sei que pode ser difícil acreditar nisso com base na maneira como Israel é retratado no mundo árabe, mas o Exército israelense não planeja nem quer matar mulheres e crianças palestinas inocentes. As forças de Israel entram em Gaza para eliminar os terroristas que agem contra os israelenses.

Eu entendo a sua dor diante das vidas inocentes perdidas nesta guerra. Lembre-se que a maioria dos foguetes são lançados de áreas civis, como escolas ou hospitais.

É muito difícil atingir os terroristas palestinos quando eles usam mulheres e crianças como escudos humanos.

O Hamas calcula o lançamento de seus foguetes para que crianças israelenses sejam as vítimas mais prováveis. Ele lança foguetes Qassam cedo da manhã, quando as crianças estão indo para a escola, e à tarde, quando seus pais vão buscá-las.

Essa guerra "simbólica" do Hamas não está sendo lançada somente contra os nossos soldados, mas contra nós - o povo judeu.

Você diz que sua família vem originalmente (da cidade israelense) de Ashkelon. Eu estou curiosa, de onde são seus tataravós? Quanto tempo eles viveram aqui?
Eu também tenho familiares que foram deslocados (por conflitos). Minha avó deixou a Polônia por causa do crescente temor em relação ao controle nazista. Ela conseguiu fugir para Israel, mas todos os outros membros de sua família foram mortos no Holocausto antes que pudessem se juntar a ela. Ela nunca voltou para a Polônia.

Você acredita que o povo judeu tem o direito de viver nesta terra? Você reconhece Israel como um Estado judeu?
Eu sei que para vocês Ashkelon é al-Majdal. Se os nomes em hebraico dessas cidades não são reconhecidos e se a presença dos judeus nesta terra não é tolerada pelos árabes - como você concebe que pode haver paz com Israel?
Fora do assunto do conflito, eu estava pensando em que livros em inglês você gosta de ler? Este ano, O Morro dos Ventos Uivantes, de Emily Bronte, é um dos meus favoritos. Eu não consigo saber se Heathcliff é realmente um vilão!
Um abraço e tudo de bom,
Anav"
De Mona para Anav
"Querida Anav,
É um prazer escrever para você novamente.

Sim, as coisas estão mais calmas agora em termos de ataques militares.

Heathcliff é uma vítima da sociedade tirânica em que vive, mas quando ele está no poder, ele próprio se torna um tirano. Você já notou que a vítima sempre se torna o opressor quanto tem o controle?
Não me importa de onde meus tataravós vieram, nem quando. A história está cheia de migrações e movimento de povos, incluindo o seu.

Depois de 3 mil anos vivendo ao redor do mundo, de repente vocês se lembraram de sua terra natal!
Você disse que a sua família veio para a Palestina por causa da expansão do nazismo, para fugir do Holocausto.

Por que nós, os palestinos, deveriamos pagar pelos crimes dos outros? Se os nazistas mataram a família de sua avó, por que vocês nos matam como vingança?
Eu não me refiro a você pessoalmente, é claro, mas ao Estado israelense.

Como eu posso aceitar a existência de um Estado que ocupa a nossa terra por 40 anos, uma ocupação que resultou na morte de tantos palestinos?
Sobre o terrorismo... por que lançar armas "sem tecnologia e baratas" contra as crianças de Sderot é considerado terrorismo, mas caças F-16 e tanques Mercava matarem crianças dentro de suas casas em Gaza não é (considerado terrorismo)?
Samar e Samah eram duas irmãs de 13 e 23 anos que estavam juntas em casa, em Gaza, quando foram mortas por uma granada israelense no mês passado. Elas não estavam resistindo a nada.

Eu acho que o termo "terrorismo" está relacionado ao nível de sofisticação das armas usadas. Se nós tivessemos armamento avançado, tudo isso seria encarado de maneira diferente. Teria se tornado uma guerra entre duas nações - sem menção ao terrorismo.

Outro ponto, como você define a proibição da entrada de comida e medicamentos na Faixa de Gaza? Isso não é um tipo de terrorismo?
A paz sempre é possível em qualquer lugar se receber a devida atenção, e se as pessoas receberem de volta os direitos que lhes foram tirados. Eu acredito na paz, já que estamos trocando e-mails.

Eu acho que a paz é o que nos torna humanos. Você, a judia, e eu, a muçulmana árabe, somos humanas, então há lugar para a paz.

Mas você pode me dizer por que Israel fecha as fronteiras e impede as pessoas de viajar?
Você não acha que a comunidade internacional (a ONU) trata o conflito de maneira injusta - e na verdade o piorou?
Você vê isso como uma luta por sobrevivência, entre eu e você?
O meu romance em inglês preferido é O Coração das Trevas, de Joseph Conrad. Você não acha que o colonialismo tem a mesma ideologia em todas as épocas?
Você gosta de Shakespeare? Hamlet é um dos meus favoritos. Cada vez que eu leio, descubro que ele tem um novo problema.

Um abraço,
Mona"

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG