Paleontólogos descobrem menores dinossauros carnívoros da América do Norte

Pequenos dinossauros carnívoros que habitavam a América do Norte há 75 milhões de anos são a prova fossilizada da existência da menor espécie de dinossauro já descoberta no continente norte-americano, segundo trabalhos publicados nos Estados Unidos por paleontólogos canadenses.

AFP |

Este primo em miniatura do Velociraptor, que tinha a metade do tamanho de um gato doméstico, foi batizado com o nome científico de "Hesperonychus elisabethee". Sua descoberta revela a diversidade dos predadores pré-históricos, explicaram os cientistas.

"O Hesperonychus é, até agora, o menor dinossauro conhecido da América do Norte", afirmou Nick Longrich, pesquisador de paleontologia do departamento de Biologia da Universidade de Calgary, no Canadá, e co-autor do trabalho, divulgado nos Anais da Academia Nacional Americana de Ciências (PNAS).

O pequeno réptil de dois quilos e 50 centímetros de comprimento caçava insetos, pequenos mamíferos, batráquios e talvez filhotes de dinossauros, supõem os paleontólogos.

O Hesperonychus devia passar a maior parte do tempo no solo em busca de presas, caçando nos pântanos e florestas que caracterizavam o meio ambiente deste período do fim do Cretáceo, explicou Philip Currie, paleontólogo da Universidade de Alberta e co-autor do estudo.

"Esta descoberta revela quão limitados são nossos conhecimentos e abre a possibilidade de que tenham existido dinossauros ainda menores", destacou Nick Longrich em um comunicado.

"Os pequenos dinossauros carnívoros pareciam estar ausentes do habitat norte-americano daquela época, o que era estranho, porque hoje em dia os pequenos carnívoros são mais numerosos do que os grandes", apontou.

"Por isso, tudo indica que os pequenos dinossauros estavam muito bem na América do Norte, e tinham um papel mais importante no ecossistema do que pensávamos", concluiu Longrich.

Os ossos fossilizados do Hesperonychus foram encontrados em 1982 em diversos pontos do Canadá, entre eles o "Dinosaur Provincial Park" das zonas desérticas da provincia de Alberta, no oeste do país.

A peça mais importante, uma pélvis fossilizada muito bem preservada, foi descoberta pela falecida paleontóloga Elizabeth Nicholls, que deu seu nome à nova espécie.

Os fósseis do Hesperonychus ficaram arquivados durante 25 anos antes de se tornarem objeto de pesquisa, que deslanchou quando Longrich os examinou em 2007 na Universidade de Alberta.

js/ap/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG