O presidente Luiz Inácio Lula da Silva chega na madrugada desta quinta-feira a San Salvador, El Salvador, onde participa da XVIII Cúpula Ibero-Americana, cujo tema este ano são os jovens e o desenvolvimento. Os chefes de Estado e representantes de 22 países vão discutir problemas que envolvem a juventude na região, mas espera-se que a crise financeira também seja incluída na agenda, seja durante os discursos ou em conversas informais.

A presidente do Chile, Michelle Bachelet, chegou a enviar uma carta aos participantes pedindo que não deixassem a crise de fora das discussões.

Hora da política
O presidente Lula também deve falar sobre a crise em seu discurso.

Durante a sessão plenária, que acontece na quinta-feira pela manhã, o presidente deve apontar alguns problemas que afligem o jovem brasileiro e as medidas que o governo vem tomando para minimizá-los, citando especificamente o programa Pró-Jovem.

Lula acrescentará que é preciso pensar no futuro dos jovens, especialmente agora que o mundo se depara com uma crise econômica.

A idéia é reforçar o recado de que "essa é a hora da política", ou seja, a hora de os governos agirem para combater os efeitos da turbulência internacional.

Essa foi a mesma linha defendida por Lula durante a última Assembléia Geral da ONU, em setembro.

Na ocasião, Lula defendeu a ação dos governos para combater a "desordem que se instalou nas finanças internacionais".

A agenda do presidente Lula prevê ainda um encontro reservado com o presidente da Bolívia, Evo Morales, para discutir interesses bilaterais.

Oficialmente, essa é a única reunião privada de Lula com um chefe de Estado mas, de acordo com os organizadores, é possível que os líderes tenham conversas informais sobre a crise durante a sessão plenária.

Antes da Cúpula, a presidente do Chile, assim como o primeiro-ministro da Espanha, José Luis Rodríguez Zapatero, chegaram a pedir aos países participantes que se esforçassem no sentido de criar um plano conjunto de combate à crise.

Os organizadores do evento, porém, consideram a proposta improvável, já que o assunto não foi incluído oficialmente no cronograma de reuniões.

Pedido de Zapatero
O primeiro-ministro da Espanha é um dos que pretende conversar reservadamente com Lula.

Segundo o jornal espanhol El País, Zapatero quer a ajuda do presidente brasileiro para ser incluído na lista de convidados da reunião do G20, que acontece no dia 15 de novembro, em Washington.

O Brasil é o atual presidente do grupo, que reúne os principais países ricos e emergentes.

A Espanha será representada na reunião pelo atual presidente da União Européia e presidente da França, Nicolas Sarkozy, mas Zapatero também quer um lugar para seu país na mesa.

Ainda segundo o jornal espanhol, Zapatero teria dito que somente três países estão buscando uma reforma profunda do sistema financeiro mundial: Espanha, Grã-Bretanha e Brasil. O restante se propõe, de acordo com Zapatero, a apenas "maquiar o atual sistema".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.