Pais de Madeleine McCann assistem a julgamento de ex-inspetor Amaral

Lisboa, 12 jan (EFE).- Os pais da menina britânica Madeleine McCann, que desapareceu em Portugal, foram hoje ao julgamento da providência cautelar sobre a proibição de venda de um livro do ex-inspetor da Polícia portuguesa Gonçalo Amaral, que trata sobre o caso da criança.

EFE |

O julgamento começou hoje em Lisboa, depois de ter sido adiado, em dezembro, por motivo de doença do advogado do ex-policial.

Gerry McCann deve assistir às sessões que acontecerão hoje e amanhã, enquanto Kate, sua esposa, comparecerá na audiência da quinta-feira.

No processo, o casal McCann alegará que o livro "Maddie - A Verdade da Mentira" e o vídeo com o mesmo título baseado em um documentário transmitido pelo canal português de televisão "TVI", divulgam a tese do ex-inspetor Amaral sobre o envolvimento dos pais de Madeleine no desaparecimento da menina.

Os pais de Madeleine McCann pretendem retirar definitivamente do mercado este livro, depois que, em 9 de setembro, o Tribunal Civil de Lisboa proibiu cautelarmente a venda.

No livro, publicado em 2008, Amaral acusa os pais de Madeleine de envolvimento na suposta morte da menina e lançava a suspeita de que o casal teria participado da ocultação do cadáver.

Além disso, os pais de Madeleine apresentarão outra acusação contra Gonçalo Amaral, devido a declarações consideradas difamatórias e pelas quais solicitam 1,2 milhão de euros de indenização.

Madeleine McCann estava a ponto de completar quatro anos quando desapareceu de um quarto na praia do Algarve (sul de Portugal), em maio de 2007.

Gonçalo Amaral fez parte da equipe de pesquisadores que tentou averiguar o que tinha acontecido com Madeleine.

Gerry e Kate McCann, que declararam desde o início que a filha tinha sido raptada, foram considerados suspeitos formais em setembro de 2007, mas foram desculpados em julho de 2008, por falta de provas para sustentar a hipótese que a menina tivesse morrido acidentalmente.

O Ministério Público de Portugal arquivou o processo, que poderia ser reaberto se surgissem novos dados consistentes sobre o desaparecimento da menina. EFE prl/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG