Pais de Madeleine criticam publicação de dados sobre caso

Londres, 6 mar (EFE).- Os pais de Madeleine McCann, a menina britânica que desapareceu em Portugal em maio de 2007, criticaram a decisão da Polícia portuguesa de permitir que os jornais britânicos publiquem documentos que permaneciam arquivados até o momento com informações sobre o caso.

EFE |

O dossiê contém duas mil páginas com dados detalhados sobre dúzias de depoimentos concedidos em momentos diferentes por pessoas que disseram ter visto a menina em diferentes locais desde seu desaparecimento, em um apartamento do Algarve (sul de Portugal).

Por meio de um comunicado, os pais de Madeleine, Kate e Gerry McCann, disse que a publicação dessas informações "põe em grande perigo a busca" pela menina e as possíveis testemunhas.

O casamento considerou o vazamento desse dossiê "incompreensível" e "desalentador".

"A publicação destas informações compromete potencialmente as investigações futuras. É difícil ver como alguém pode se beneficiar de tudo isso", diz a nota dos McCann.

Em uma das publicações, há informações sobre uma menina parecida fisicamente com Madeleine e que supostamente foi vista em uma estrada em direção ao aeroporto de Faro na noite em que a criança desapareceu.

Madeleine desapareceu em 3 de maio de 2007, perto de completar quatro anos. Os McCann deixaram Portugal em setembro do mesmo ano após terem sido declarados como suspeitos formais no caso, por causa de supostos vestígios de Madeleine e outras provas detectadas em objetos pessoais e em um automóvel alugado pelo casal depois do desaparecimento.

Depois que o caso foi fechado por falta de provas conclusivas, os McCann deixaram de ser tidos como suspeitos e foram indenizados por vários veículos de imprensa britânicos que tinham informado sobre seu possível relação com o desaparecimento da própria filha. EFE prc/bba

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG