Pai de Abdulmutallab teria alertado EUA

WASHINGTON - Alhaji Umaru Mutallab, pai do nigeriano Umar Farouk Abdulmutallab, acusado pelos Estados Unidos de tentar explodir um avião da Northwest-Delta, teria alertado a Embaixada americana na Nigéria sobre a radicalização de seu filho e dizer que ele estava planejando algo, informa hoje a CNN.

EFE |

Abdulmutallab, de 23 anos, foi acusado hoje formalmente pelos EUA de introduzir, na sexta-feira, uma bomba em um avião que cobria a rota entre Amsterdã e Detroit para explodir a aeronave.

O acusado assegurou manter vínculos com a Al Qaeda, mas os investigadores não descartam a hipótese de que agisse sozinho, sem o apoio ou treinamento da rede terrorista.

O pai do jovem é um reconhecido financista que recentemente se aposentou como presidente do First Bank PLC da Nigéria, uma das grandes entidades do país.

Segundo um membro da família citado pela "CNN", Mutallab entrou em contato há três meses com várias agências de segurança americanas e com a Embaixada de Washington em Abuja, alarmado por uma mensagem de texto que recebeu de seu filho alguns dias antes.

Na mensagem, o jovem informava a sua família que estava abandonando o centro universitário no qual estudava em Dubai para viver no Iêmen e iniciar uma nova vida, seguindo a chamada do Islã.

O membro da família ouvido pela "CNN" disse que Abdulmutallab não obteve o consentimento nem o apoio da família nesta decisão, e mesmo assim "fugiu para o Iêmen".

"Sua mãe não conseguiu dormir durante meses. Agora, ela está tomando remédios para dormir", disse a fonte.

A informação cedida por Mutallab teria sido enviada ao Centro Nacional contra o Terrorismo, e o nome do jovem teria sido colocado em uma base de dados de suspeitos de terrorismo, o que não evitou que ele recebesse um visto para viajar aos EUA durante um período de vários anos.

Leia mais sobre terrorismo

    Leia tudo sobre: euanigériaterrorismo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG