Sydney (Austrália), 23 jun (EFE).- Um padre católico de 64 anos abandonou hoje sua paróquia após ser acusado pela Polícia de ter abusado sexualmente de uma menina, há 30 anos.

A Polícia alega que o abuso aconteceu entre 1977 e 1981, quando o acusado, que então tinha cerca de 30 anos, trabalhava como padre em uma paróquia de Ipswich, no estado de Queensland.

A vítima tinha 12 anos quando começou a ser abusada, explicou hoje o sargento Les Hutton.

O acusado foi intimado a comparecer perante o Tribunal de Magistratura de Ipswich em 28 de julho.

Pelo menos 110 membros da Igreja Católica foram condenados na Austrália por abusos sexuais que afetaram mil pessoas, segundo dados da organização Broken Rites.

O papa Bento XVI, durante sua visita a Sydney em julho do ano passado, se reuniu com quatro vítimas cujas identidades não foram reveladas, e expressou sua pena por todo a dor e sofrimento que passaram. EFE mg/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.