Pacto de Governo forma 1ª coalizão de esquerda da Romênia pós-comunismo

Bucareste, 14 dez (EFE).- A primeira grande coalizão na Romênia transformou-se hoje em uma realidade após a assinatura do pacto de Governo entre o Partido Democrata Liberal (PDL), ligado ao presidente, Traian Basescu, e a aliança de esquerda entre o Partido Social Democrata (PSD) e o Partido Conservador (PC).

EFE |

O programa do Executivo, liderado pelo veterano economista do PDL Theodor Stolojan, tem como principal objetivo assegurar a estabilidade política na Romênia durante as turbulências da crise mundial.

O pacto entre as duas legendas majoritárias foi assinado pelos líderes dos dois partidos em presença do futuro primeiro-ministro Stolojan, de 65 anos.

"É um momento histórico para a Romênia", declarou Mircea Geoana, líder do PSD, para acrescentar que esta fórmula governamental é "a única capaz de assegurar a estabilidade do país e um Governo competente em situação de crise".

"Iniciamos nosso caminho juntos com um só objetivo, dar à Romênia um Governo estável e eficiente em tempos difíceis", declarou Emil Boc, líder do PDL.

Boc disse que no programa conjunto se conciliam as melhores "medidas da direita e da esquerda" para atravessar a crise e responder às esperanças da população.

Os liberais do PDL e os ex-comunistas do PSD, que reúnem mais de 70% das cadeiras do Parlamento após as eleições de 30 de novembro, decidiram formar juntos um Governo "em interesse da Romênia", apesar dos duros conflitos pessoais que enfrentaram nos últimos oito anos e das doutrinas políticas opostas.

A aliança entre o PSD, PC e o PDL estabelece que governarão sem a União Democrata dos Húngaros da Romênia (UDMR, em romeno), que desejava chegar ao poder, mas à qual o PSD fechou as portas.

Geoana assegurou que a decisão de PSD de rejeitar a UDMR obedece a razões políticas e não étnicas, ressaltando os compromissos do Executivo com os direitos das minorias.

O documento assinado inclui 25 objetivos que harmonizam os melhores aspectos dos programas dos dois partidos e busca reformar de setores essenciais da sociedade romena.

Entre os objetivos estão manter os empregos existentes e criar novos, defender o poder aquisitivo dos romenos, assegurar a independência da Justiça, apoiar a agricultura, a reforma do ensino e a saúde, entre outras medidas.

Os dois membros de coalizão na legislatura, que se prolonga até 2012, afirmaram que conservam suas respectivas identidades doutrinárias e que apoiarão candidatos próprios nas eleições presidenciais de 2009. EFE av/ab/jp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG