Copenhague, 10 mai (EFE).- O Partido Social-Democrata e o Movimento Esquerda Verde apresentaram hoje um acordo para formar um Governo de coalizão na Islândia e anunciaram que submeterão ao Parlamento a questão do início das negociações para a entrada na União Europeia (UE).

Em último caso será feita uma consulta popular para decidir se a Islândia entra na UE, reiterou hoje a primeira-ministra, a social-democrata Jóhanna Sigurdardóttir, que comunicou que a resolução será apresentada nos próximos dias.

O Partido Social-Democrata defende a entrada na UE, enquanto seu parceiro de Governo se opõe, embora durante a campanha eleitoral tenha aceitado a realização de um referendo sobre a questão.

Segundo uma pesquisa divulgada na semana passada, dois em cada três islandeses querem que o Governo negocie com a UE, embora o número de partidários da entrada tenha caída para 40%.

Os social-democratas venceram as eleições antecipadas de 25 de abril passado com quase 29% dos votos, que somados aos obtidos pelos verdes lhes deram uma cômoda maioria absoluta, que beira 50% (34 das 63 cadeiras do Parlamento).

Ambas as legendas tinham governado em minoria, com o apoio externo do centrista Partido do Progresso, desde a renúncia no final de janeiro do então primeiro-ministro, o conservador Geir Haarde, como consequência dos protestos populares pela crise econômica.

Sigurdardóttir disse hoje, em coletiva de imprensa conjunta em Reykjavík com o líder do Movimento Esquerda Verde, Steingrimur Sigfusson, que o objetivo central do novo Governo será reequilibrar as contas públicas em 2013 e iniciar um plano para a criação de postos de trabalho.

Os dois líderes reiteraram seu compromisso de implementar o plano de recuperação econômica pactuado há alguns meses com o Fundo Monetário Internacional (FMI) que, junto com outros países, dará à Islândia uma ajuda de perto de US$ 6 bilhões.

O afundamento de seu sistema bancário causou o colapso da economia islandesa e situou o país na crise mais grave de sua história recente, o que originou fortes protestos populares, a queda do Governo conservador e a primeira vitória da esquerda desde a independência da Islândia, em 1944. EFE alc/rr

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.