Avaliação foi dada pela Scotland Yard, que examinou dispositivo interceptado por autoridades no Reino Unido

Um dispositivo com explosivos, que vinha do Iêmen com destino aos Estados e foi interceptado no Reino Unido, no dia 29 de outubro, teria capacidade de explodir sobre a Costa Leste dos Estados Unidos se não tivesse sido desativado. As informações foram divulgadas pela Scotland Yard, que examinou o dispositivo e sua capacidade de destruição.

A bomba foi encontrada em um cartucho de impressora, e era transportada em um avião de carga com destino a Chicago.

Em entrevista à rede de TV CNN, um especialista em contraterrorismo americano explicou que o pacote-bomba deveria explodir cerca de seis horas depois de ter sido encontrado.

O porta-voz da Casa Branca, Nick Shapiro, ressaltou que as descobertas das autoridades britânicas “revelam a séria natureza da tentativa de ataque da Al-Qaeda da Península Arábica e a ameaça que se enfrenta na tentativa de prevenir ataques como esses”.

Ataque frustrado

Dias depois de oficiais de inteligência conseguirem interceptar dois pacotes-bomba, sendo um em Dubai e o outro no Reino Unido, o braço da rede terrorista Al-Qaeda no Iêmen, a Al-Qaeda na Península Arábica, assumiu a responsabilidade pelo envio dos pacotes-bomba.

A descoberta levou EUA, Reino Unido e Oriente Médio a emitirem alertas. Em pronunciamento, o presidente americano, Barack Obama, admitiu que os pacotes continham material explosivo e classificou-os como uma ameaça terrorista real.

Depois da tentativa de ataque, os EUA proibiram aviões de carga procedentes do Iêmen de entrar no país. Além disso, a Administração de Segurança no Transporte (TSA) emitiu ordens para que as companhias aéreas tomem medidas de segurança adicionais para voos internacionais com destino aos EUA, incluindo a proibição de cargas do Iêmen, que também se estendeu a pacotes procedentes da Somália. Nos Emirados Árabes Unidos, as linhas aéreas Emirates e Etihad Airways anunciaram que não levarão mais cargas vindas do Iêmen, como forma de precaução.

*Com BBC

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.