Pacote chinês estimula mercados asiáticos

Os mercados asiáticos subiram acentuadamente nesta segunda-feira, um dia depois de a China ter anunciado um grande plano de investimento para estimular a economia. Em Xangai, o índice Composite fechou em alta de 7,3%.

BBC Brasil |

O índice Nikkei, de Tóquio, fechou em alta de 5,8%, enquanto o Hang Seng, de Hong Kong, teve alta de 3,39%.

As ações de empresas que deverão se beneficiar mais com os planos do governo foram as que tiveram um desempenho melhor, incluindo bancos e empresas de construção e aço.

Pelo pacote, nos próximos dois anos, cerca de US$ 586 bilhões serão destinados a habitação, infra-estrutura e reconstrução de áreas atingidas pelo terremoto de maio.

Também haverá cortes significativos em impostos corporativos, e os bancos terão permissão para conceder mais empréstimos para projetos de desenvolvimento rural e inovação técnica.

Apesar da reação positiva dos mercados nesta segunda-feira, o correspondente da BBC em Xangai Chris Hogg diz que há ainda muitas dúvidas em relação ao plano.

"O que não está claro é quanto do total anunciado é dinheiro novo, além do atual orçamento. E não se sabe quanto do total será dividido entre as propostas de investimento e cortes de impostos", disse Hogg.

Os principais mercados europeus também abriram em alta em torno de 3% nesta segunda-feira.

Desaceleração
Analistas dizem que o pacote não conseguirá salvar a China dos efeitos de uma desaceleração global, mas pode ajudar a proteger a economia do país.

A China, e as economias asiáticas que dependem do país como um mercado de exportação, têm se acostumado com índices de crescimento de dois dígitos.

Mas no terceiro trimestre deste ano, o índice de crescimento da China caiu para 9%, o mais baixo em cinco anos.

Analistas afirmam que o índice pode ser considerado satisfatório em vários outros países, mas a queda gerou preocupação na China, onde o governo tem contado com um crescimento acelerado para manter a estabilidade política.

Nas últimas semanas, o governo chinês cortou as taxas de juros duas vezes e começou a analisar maneiras de evitar uma desaceleração mais dramática, como medidas para estimular o mercado imobiliário e promover a construção de moradia de baixo custo.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG