Oxfam pede nomeação de enviado especial e mais forças de paz para a RDC

Londres, 31 out (EFE).- A comunidade internacional deve nomear de forma imediata um enviado especial de alto nível e disponibilizar mais militares para a força de paz das Nações Unidas na República Democrática do Congo (RDC), disse hoje a organização humanitária Oxfam.

EFE |

Em comunicado divulgado da sua sede em Oxford (Inglaterra), a organização pediu à comunidade internacional que exerça pressão a fim de obter a cessação imediata dos combates, além de ter pedido que se consiga a segurança da população da parte oeste do país e a criação de um processo de paz "genuíno e durável".

"Precisamos de uma grande mudança no compromisso político do mundo no conflito" da RDC, disse a diretora da Oxfam no país, Juliette Prodhan.

Ela destacou que, nos últimos dez anos, houve acordos e tropas de paz, mas não apoio internacional "suficiente e consistente".

"Quase 5,5 milhões de pessoas morreram e outros milhões foram forçados a deixar suas casas. O mundo deve parar de autorizar o sofrimento nesta escala", acrescentou.

No comunicado, a Oxfam defendeu a nomeação, por parte do secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, de um enviado de alto nível que viaje "de forma imediata" à região com capacidade para negociar com todas as partes com o objetivo de que elas aceitem um acordo de paz durável e abordem as causas subjacentes do conflito.

Além disso, pediu apoio militar adicional para a Missão de Observação da ONU na RDC (Monuc) para garantir que possa responder de forma efetiva qualquer assassinato de civis, violações em massa ou saques sistemáticos por grupos armados.

Desde agosto passado, cerca de 200 mil pessoas foram forçadas a fugir de suas casas devido aos combates entre rebeldes do Congresso Nacional da defesa do Povo (CNDP) e das Forças Armadas da RDC (FARDC).

Nos últimos dias, os combates se intensificaram perto de Goma e nas áreas próximas, forçando milhares de pessoas a deixarem suas casas e os campos onde buscaram refúgio. EFE ep/fh/ma

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG