Otan pode rever diálogo com Rússia após ação militar

BRUXELAS - O futuro dos fóruns de cooperação e diálogo entre a Rússia e a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), estabelecidos depois da Guerra Fria, estarão propensos a revisão em razão da intervenção russa na Geórgia, disse neste sábado o embaixador dos Estados Unidos na Otan.

Reuters |

A secretária norte-americana de Estado, Condoleezza Rice, marcou para terça-feira uma reunião com os chanceleres dos 26 Estados da Otan para consultar os aliados sobre as implicações da ação russa.

O enviado dos EUA para a Otan, Kurt Volker, disse à Reuters que ainda não há uma decisão sobre uma resposta específica, mas encontros regulares de chanceleres e ministros da Defesa, bem como de embaixadores da Otan com o representante russo, serão parte da revisão.

Também estará sob escrutínio o futuro do diálogo entre especialistas em áreas como contraterrorismo, ações contra o narcotráfico e simulações de operações de mísseis de defesa, disse Volker.

'Todas essas atividades são coisas que teremos de rever agora, e dizer: 'Bem, o que deveríamos fazer? Deveríamos fazer alguma coisa para demonstrar que não pode haver negócios como antes com a Rússia,'' disse ele.

Volker afirmou que os EUA não buscam confrontação nem encerrar fóruns de diálogo.

'Não queremos uma dinâmica negativa nas relações da Otan com a Rússia. Queremos que ela seja positiva. Mas para que isso aconteça a Rússia tem de retirar-se da Geórgia, respeitar a soberania e a integridade territorial da Geórgia e jogar de acordo com as regras do século 21.'

Rice disse neste sábado que a reunião em Bruxelas vai analisar se a Rússia aderiu ao acordo de cessar-fogo e também enviar uma 'forte mensagem' de apoio à Geórgia. Ela deu neste sábado informações ao presidente dos EUA, George W. Bush, sobre sua viagem a Tbilisi, no rancho dele no Texas.

'A Geórgia vai emergir disto e será reconstruída... Vai retomar seu lugar como uma das economias líderes', disse ela.

'E assim o que os russos terão alcançado é a demonstração de que podem usar seu avassalador poderio militar regional para esmagar um vizinho menor', disse Rice. 'E não acho que haja de fato um ponto de onde dar prosseguimento a um debate sobre se a Rússia deva ser considerada um membro responsável do sistema internacional.'

A Otan já impediu que um navio russo tomasse parte de seu exercício multinacional antiterrorismo no Mediterrâneo. Além disso, a Rússia ainda aguarda resposta a sua solicitação de um encontro de emergência com embaixadores da Otan para discutir a crise no Cáucaso.

Diplomatas dizem que o governo norte-americano é responsável tanto pelo bloqueio ao navio como à reunião requisitada por Moscou.

Leia também:

Opinião:

    Leia tudo sobre: georgia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG