Otan pede solução duradoura para conflito entre Rússia e Geórgia

Valência (Espanha), 18 nov (EFE).- A Assembléia Parlamentar da Otan instou hoje os Estados-membros a que, se baseando nos Acordos de Genebra, encontrem uma solução duradoura para o conflito entre Geórgia e Rússia pelas regiões da Ossétia do Sul e da Abkházia, embora evitando o reconhecimento da independência das duas.

EFE |

Esta resolução, cujo debate dominou parte do encerramento da Assembléia, que termina hoje em Valência após quatro dias de comissões, faz um apelo aos Governos e Parlamentos da Otan para que tentem solucionar o conflito, mas sem dar passos que possam levar a um reconhecimento de fato da independência de qualquer uma das duas regiões.

A Assembléia também "deplora" o uso "desproporcional" da força contra a Geórgia pelo Exército russo e a "limpeza étnica" realizada contra os georgianos da região separatista da Ossétia do Sul.

Convida os Estados-membros a prepararem um relatório independente internacional para conhecer a sucessão de eventos que acabaram no conflito de agosto, assim como que enviem à Ossétia do Sul e à Abkházia uma força internacional para a manutenção da paz.

Ajudar a Geórgia a reconstruir as infra-estruturas destruídas durante o conflito, manter um diálogo construtivo com a Rússia para promover a estabilidade no Cáucaso e propor um plano de ação para a integração georgiana nas estruturas da Aliança Atlântica são outros dos pontos que contempla esta resolução, que não tem caráter vinculativo.

Seu debate aconteceu minutos após o presidente da República da Geórgia, Mikhail Saakashvili, intervir como convidado na Assembléia para advertir que a "invasão" que seu país sofreu pela Rússia em agosto não é um "caso isolado", mas "toda Europa" poderia sofrer uma situação similar.

Um dos assuntos sobre os quais girou esta Assembléia Parlamentar foi, justamente, o conflito entre os dois países e o papel que a comunidade internacional em geral, e a União Européia em particular, poderiam assumir para sua solução. EFE sob/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG