Otan pede que Rússia, Geórgia e Ossétia do Sul deixem as armas e negociem

A Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) insistiu neste sábado na chamada feita por seu secretário-geral, Jaap de Hoop Scheffer, e pediu a todas as partes envolvidas no conflito da região separatista georgiana da Ossétia do Sul, incluindo a Rússia, que negocie e abandone a violência imediatamente.

EFE |

A porta-voz adjunta da Aliança Atlântica, Carmen Romero, reiterou à Agência Efe a mensagem expressada na sexta-feira por De Hoop Scheffer e lembrou que a Otan "sempre apoiou a integridade territorial da Geórgia".

Romero explicou que a Aliança está acompanhando de perto a evolução dos eventos, e que acredita que os esforços diplomáticos internacionais darão resultados.

"Esperamos o fim imediato das operações militares e que seja retomado o diálogo", acrescentou.

A porta-voz disse que, por enquanto, a Otan não estuda a possibilidade de realizar um conselho extraordinário para reunir os embaixadores dos países da organização.

O Governo da Geórgia, país que busca entrar na Otan, é considerado o principal aliado dos Estados Unidos na região do Cáucaso.

O Executivo georgiano manifestou diversas vezes sua esperança de poder entrar na Aliança a curto prazo, a que a Rússia se opõe abertamente.

    Leia tudo sobre: georgia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG