Otan: o Afeganistão deve respeitar os direitos da mulher

O presidente francês, Nicolas Sarkozy, e a chanceler alemã, Angela Merkel, pediram neste sábado ao governo afegão que faça respeitar os direitos da mulher, ao término da cúpula da Otan neste sábado em Estrasburgo.

AFP |

"É uma pedido unânime" dos países da Otan que os direitos da Mulher e do Homem sejam defendidos e respeitados pelo governo afegão, declarou o presidente Sarkozy em uma conferência de encerramento da cúpula.

"Estamos aqui para defender valores. Não decidimos discutir estes valores. Ninguém, nenhum de nós (está aqui para isso). Acredito que a mensagem foi recebida diretamente", acrescentou.

Um projeto de lei afegã, chamado "nova lei sobre a família afegã", vem gerando críticas entre os ocidentais. Ele proíbe as mulheres de negar relações sexuais a seus maridos ou de deixar o domicílio familiar e tomar decisões sem o prévio acordo deles.

"Esperamos que este projeto de lei seja retirado, porque é inaceitável", declarou Merkel.

"Todos no Afeganistão devem ter o direito de viver em toda liberdade", acrescentou.

"Pedimos que os direitos da mulher sejam respeitados", acrescentou o secretário-geral da Otan, Jaap de Hoop Scheffer.

npk/lm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG