Otan faz sua terceira ampliação desde o fim da Guerra Fria

A Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) decidiu nesta quinta-feira, em sua cúpula de Bucareste, ampliar o número de membros para 28, com a chegada da Croácia e Albânia, sua terceira expansão desde o fim da Guerra Fria.

AFP |

Em contrapartida, a Macedônia não teve a mesma sorte, com o veto da Grécia, enquanto a Aliança Atlântica considerou que a Ucrânia e a Geórgia ainda não estão prontas para ser candidatas oficiais.

A Otan foi criada em 1949 por doze países - Estados Unidos, Bélgica, Canadá, Dinamarca, França, Islândia, Itália, Luxemburgo, Holanda, Noruega, Portugal e Reino Unido.

A primeira expansão da Aliança Atlântica ocorreu em 1952, com a entrada da Grécia e da Turquia.

Em 1955, foi a vez da então República Federal da Alemanha (RFA) entrar na Aliança.

A próxima ampliação demorou quase 30 anos, já que teve que esperar até 1982 para que a jovem democracia espanhola aderisse a organização.

Com o final da Guerra Fria e a reunificação da Alemanha em 1990, a ex-República Democrática da Alemanha (RDA) foi incorporada de forma automática à Otan.

Em 1999 ocorreu a última adesão de três paises do ex-bloco comunista: Polônia, República Tcheca e Hungria.

A penúltima fase de expansão, contado com a deste ano, foi em 2004, a maior da história da Otan, com a chegada de sete países: Bulgária, Estônia, Letônia, Lituânia, Romênia, Eslováquia e Eslovênia.

A chegada da Albânia e Croácia decidida nesta quinta-feira em Bucareste aumenta para 28 o número de membro da Aliança.

Apesar de cumprir com todas as condições requeridas, a Macedônia não pode ser incorporada à Otan, devido ao veto da Grécia, que impede desde 1981 o reconhecimento internacional do país, por considerar que seu nome é patrimônio histórico nacional.

O convite para aderir à Otan se encontra no artigo 10 da Carta fundadora da Aliança, que permite o ingresso de qualquer democracia européia que cumpra com os critérios exigidos.

Por sua vez, a Geórgia e a Ucrânia tiveram suas ambições de fazer parte do Plano de Ação para a Adesão (MAP) adiadas. Esse programa prepara os aspirantes para ingressas na Otan sem oferecer garantias nem prazos.

Diferente do consenso obtido nos processos anteriores de ampliação, os casos da Geórgia e Ucrânia provocam grande controvérsia na Otan e uma forte rejeição da Rússia.

Contudo, os líderes da Otan asseguraram na cúpula que ambos os países irão fazer parte um dia da Aliança.

bur-mar/fb

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG