Otan enfrenta atiradores e bombas em Helmand

Forças da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) estão enfrentando atiradores e muitas bombas improvisadas no segundo dia da megaoperação contra o Taleban, no sul do Afeganistão.

BBC Brasil |

Milhares de soldados americanos, britânicos e afegãos, apoiados por militares de outros países, estão sendo obrigados a avançar lentamente, um dia depois do início da ofensiva nos distritos de Marjah e Nad Ali, na província de Helmand.


Soldados a bordo de helicóptero aguardam para desembarque no sul do Afeganistão / AP

A operação batizada de Moshtarak , que quer dizer "juntos" na idioma dari, é a maior desde a queda do Taleban em 2001 e representa o primeiro grande teste para a nova estratégia do presidente Obama para o Afeganistão.

A região escolhida para a ofensiva é um conhecido reduto de militantes e um importante ponto para o tráfico de ópio no país, a matéria-prima para a heroína.

Armadilhas

Soldados americanos dizem que os moradores começaram a informá-los sobre onde estão os explosivos escondidos.

Segundo o especialista em segurança da BBC Frank Gardner, que está no quartel-general da Otan em Kandahar, as tropas britânicas e americanas estão vasculhando cada prédio e cada construção para limpar Marjah e Nad Ali de centenas, possivelmente milhares, de explosivos improvisados plantados pelos insurgentes.

Mas, segundo analistas, o grande desafio ainda está por vir: garantir segurança duradoura para os habitantes da região central da província de Helmand.

Muitos moradores estariam com receio de receber as forças do governo afegão, temendo que logo elas deixem a região novamente.

Por isso, o sucesso da operação dependeria de a ofensiva militar ser seguida por um aumento da segurança e da presença do poder público na região, com o apoio da população.

Oficiais da Otan e das forças afegãs estão realizando reuniões com líderes tribais e planejam levar centenas de policiais para estas localidades nos próximos dias de forma a garantir a segurança das áreas conquistadas.


Soldado britânico conversa com camponês afegão / AP

Mortes

A ofensiva começou antes do amanhecer de sábado, quando mais de 15 mil soldados chegaram à região central de Helmand.

As tropas americanas, que contam com 4 mil soldados, estão se concentrando na região de Marjah, enquanto 4 mil britânicos estão no distrito de Nad Ali.

Um grande contingente afegão, além de forças canadenses, dinamarquesas e estonianas, também está envolvido na operação.

Pelo menos 20 militantes do Taleban foram mortos e outros 11, detidos, segundo informações de um comandante afegão.

No sábado, um soldado britânico morreu depois da explosão de uma bomba em Nad Ali, e um americano foi morto a tiros em Marjah.

Explosivos

A Cruz Vermelha Internacional instalou um posto avançado em Marjah, que já estaria tratando dezenas de moradores feridos nos combates.

As tropas internacionais passaram os últimos dias vasculhando os dois distritos à procura de explosivos, mas os insurgentes tiveram meses para se preparar para esta ofensiva, que vinha sendo planejada há tempos e foi amplamente divulgada.

Os soldados estão usando detectores de metal e cães farejadores para desarmar uma a uma bombas colocadas em casas, o que faz os militares estimarem que pode levar até 30 dias para que a região fique segura.

Tropas americanas dizem ter descoberto posições que até recentemente eram ocupadas por atiradores Talebans, cercadas de explosivos.

"Golpe publicitário"

Analistas dizem que os insurgentes parecem ter se dispersado frente ao grande contingente militar da operação, possivelmente aguardando o melhor momento para se reagrupar.

Mas neste domingo, uma cerimônia de hasteamento de bandeira realizada pela Otan em Marjah foi interrompida por tiros disparados pelos Talebans.

Um comandante insurgente, que se identificou como Mullah Abdul Rezaq Akhund, enviou um e-mail para a agência de notícias AFP classificando a Operação Moshtarak de "golpe publicitário".

"Seu principal objetivo é dar algum prestígio ao fracassado comandante militar General Stanley McChrystal", diz a mensagem.

Leia mais sobre Afeganistão

    Leia tudo sobre: afeganistão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG