Otan descarta convite imediato à Ucrânia e Geórgia, mas apóia escudo antimísseis

BUCARESTE - A Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), aliança militar entre a América do Norte e países da Europa, rejeitou nesta quinta-feira a adesão da Ucrânia e da Geórgia ao grupo. Os dois países fizeram parte da União Soviética. A organização deve aprovar ainda hoje o apoio a construção de um escudo antimísseis pelos EUA no Leste Europeu. Os líderes também concordaram em aumentar as tropas no Afeganistão para combater a resistência talibã e repartir melhor o peso das operações de combate, segundo uma declaração da Aliança Atlântica.

Redação com agências internacionais |


A Otan fez um convite formal somente à Albânia e à Croácia, anunciou o secretário-geral da organização, Jaap de Hoop Scheffer, durante a cúpula da Aliança em Bucareste, a capital da Romênia. A Macedônia, outra ex-república iugoslava cotada para aderir à aliança militar, não foi convidada.

Escudo antimísseis

Segundo uma fonte diplomática dos Estados Unidos, os 26 membros da Otan d ecidiram dar seu pleno apoio ao escudo antimísseis que o país pretende posicionar no Leste Europeu.

O s países da Aliança devem adotar  um comunicado no qual reconhecerão a proteção que o escudo dará à Europa frente a possíveis ataques do Oriente Médio, e pedem à Rússia, que considera o sistema uma ameaça, que retire suas objeções.

Os Estados Unidos apoiavam a inclusão de Ucrânia e Geórgia na Otan, mas a Alemanha era contra . A adesão, que  enfrentava forte oposição interna na Ucrânia foi criticada também pela Rússia .

 O país advertiu hoje que a entrada de Ucrânia e Geórgia na Otan seria um grande erro estratégico, depois que líderes da Aliança anunciaram que iniciarão consultas com as duas ex-repúblicas soviéticas para uma futura adesão. "O ingresso desses países na Aliança causará as mais graves seqüelas para a segurança européia", afirmou o vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Alexander Grushko.

Afeganistão

Bush conseguiu uma pequena vitória das mãos do presidente francês Nicolas Sarkozy, que se comprometeu a enviar um novo contingente de soldados ao leste do Afeganistão, atendendo ao pedido dos americanos.Sarkozy confirmou nesta quita-feira que o reforço francês será de 700 militares.

Em seu plano "Visão estratégica", que contém os princípios básicos da Aliança, os países da Otan concordam em "se apoiar uns aos outros na repartição do peso no Afeganistão".

Os Estados planejam "prover a nossos comandantes militares as ferramentas necessárias para o sucesso, completando as carências, incluindo forças, equipamentos de treinamento e capacitadores".

Os líderes apoiaram, além disso, "prover maior flexibilidade possível para o uso" das forças da Otan.

O que é a Otan

A Otan é uma aliança militar formada durante a Guerra Fria entre os Estados Unidos, o Canadá e países da Europa Ocidental. Seu objetivo era contrapor a influência soviética no continente. Do lado oriental, seu correspondente era o Pacto de Varsóvia, que reunia a URSS e os países da cortina de ferro.

Com a desintegração do bloco socialista, a Otan avançou sobre o Leste Europeu. Bulgária, Romênia, Hungria, Eslovênia, República Checa, Eslováquia, Polônia, Estônia, Letônia e Lituânia fazem parte da aliança militar. O Leste Europeu tradicionalmente é uma área de influência geopolítica russa.

Os países da antiga cortina de ferro também passaram a integrar-se com a Europa Ocidental. Os mesmos países que aderiram à Otan fazem parte da União Européia. 

Leia mais sobre: Otan

Com AFP e BBC

    Leia tudo sobre: otan

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG