Cabul, 17 jun (EFE).- O secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), Jaap de Hoop Scheffer, declarou hoje em Cabul que todos os conflitos podem ser resolvidos pela via política e se mostrou seguro de que isso também acontecerá no Afeganistão.

Em entrevista coletiva em Cabul, Scheffer disse que a Força Internacional de Assistência à Segurança (Isaf, em inglês), missão militar sob comando da Otan, não está no Afeganistão para conseguir uma "vitória militar".

"Estamos aqui como a Otan, sob mandato da ONU, porque simplesmente não podemos permitir que o extremismo tome o controle" do país, explicou.

Scheffer reiterou que os "inimigos do Afeganistão", em clara alusão aos talibãs, não desejam o "desenvolvimento" econômico do país, tampouco o estabelecimento da segurança e da paz.

Também lembrou que entre oito mil e dez mil novos soldados dos países-membros da Otan chegarão ao Afeganistão para garantir a segurança para as eleições presidenciais marcadas para 20 de agosto.

O secretário-geral da Otan chegou hoje a Cabul e teve uma reunião com o presidente afegão, Hamid Karzai.

Também presente na entrevista coletiva, Karzai falou que o secretário-geral da Otan é "amigo" do Afeganistão e agradeceu à Isaf por seus esforços para garantir a segurança do país.

Amanhã, Scheffer se reunirá com os dois principais adversários de Karzai nas próximas eleições, o ex-ministro de Assuntos Exteriores Abdullah Abdullah e o antigo titular de Finanças Ashraf Ghani, segundo um comunicado divulgado pela Isaf.

Em recente entrevista concedida a uma publicação holandesa, Scheffer, que abandonará o cargo no próximo dia 31, admitiu que a estratégia da Otan no Afeganistão não foi eficiente.

A Isaf conta com mais de 60 mil soldados no Afeganistão, sendo a metade procedente dos Estados Unidos.

O tenente-general americano Stanley McChrystal assumiu no domingo passado o comando conjunto da Isaf e da coalizão liderada pelos EUA, que conduz paralelamente a operação antiterrorista Liberdade Duradoura. EFE lo-amp/bba

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.