Otan celebra 60 anos na presença de Obama e com o Afeganistão como desafio

Os líderes da Otan celebrarão na sexta-feira e no sábado, com uma reunião de cúpula na fronteira França-Alemanha, os 60 anos da Aliança Atlântica, na presencia do novo presidente americano, Barack Obama, e as atenções voltadas para o desafio sem solução dos talibãs no Afeganistão.

AFP |

A reunião acontecerá em três cidades, Estrasburgo na França e Kehl e Baden Baden na Alemanha, símbolo de reconciliação entre os países que travaram três guerras entre 1870 e 1945. Além disso, para os franceses significará o retorno à estrutura militar integrada da OTAN, 43 anos depois de ter abandonado a mesma.

Durante o encontro, a Organização do Tratado do Atlântico Norte vai fazer sua terceira ampliação para o leste da Europa desde o início dos anos 90 - data da queda da antiga União Soviética -, desta vez com a adesão de Albânia e Croácia, o que aumentará a 28 o número de países membros.

Apesar do secretário-geral da Otan, Jaap de Hoop Scheffer, considerar a ampliação e o retorno da França ao comando militar "acontecimentos importantes", a agenda será dominada pela delicada questão do conflito no Afeganistão.

Neste país, a Otan executa desde 2003 a operação mais importante de sua história, mas até agora sem muito sucesso pela feroz resistência dos talibãs, que utilizam o Paquistão com retaguarda.

O objetivo da nova "estratégia" que Obama apresentou na sexta-feira da semana passada é que a força internacional comandada pela Otan, a Isaf, atualmente integrada por 60.000 soldados de 42 países, possa deixar o Afeganistão depois de destruir a rede terrorista Al-Qaeda, aliada dos talibãs.

Neste sentido, os Estados Unidos, na primeira viagem europeia de Obama como presidente, pedirão aos aliados do Velho Continente um esforço maior para apoiar o governo afegão.

No entanto, ninguém espera que os europeus aumentem seus contingentes em proporções comparáveis ao dos Estados Unidos, que já anunciaram o envio de mais 21.000 homens ao Afeganistão.

O que Washington deseja é que os aliados do outro lado do Atlântico contribuam mais no aspecto civil da missão internacional, dando prioridade à formação da polícia afegã, tarefa na qual França, Itália e Espanha estariam dispostos a participar.

A reunião da Otan acontecerá três dias depois da conferência internacional sobre o Afeganistão realizada em Haia, que teve as participações de China, Rússia e Irã.

Justamente outro grande tema da celebração será a relação complexa entre a Otan e Moscou, afetadas desde o conflito Rússia-Geórgia de agosto de 2008 e do anúncio do projeto de escudos anti-mísseis americano na Europa Central.

Durante o jantar inaugural de sexta-feira, os 26 aliados debaterão uma terceira questão relevante: a renovação do conceito estratégico de ação da Aliança, que data de 1999.

A ideia é adaptar este texto às novas ameaças: ataques cibernéticos, terrorismo, pirataria, segurança energética.

Na manhã de sábado, ao mesmo tempo que abordarão o tema Afeganistão, os aliados discutirão a situação de Kosovo, após o polêmico anúncio de retirada das tropas espanholas deste território.

pm/fp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG