Ossétia do Sul acha 500 de 1.600 mortos em conflitos no país

MOSCOU (Reuters) - Autoridades na região separatista georgiana da Ossétia do Sul disseram na terça-feira que localizaram os restos mortais de 500 das 1.600 pessoas que supostamente teriam morrido durante a invasão e bombardeio da Geórgia, nos dias 7 e 8 de agosto. Informações preliminares conseguidas pela equipe de investigação, que questionou vizinhos e parentes de vítimas, mostraram que mais de 1.600 pessoas morreram na Ossétia do Sul como resultado da invasão do exército georgiano, disse o procurador-geral da Ossétia do Sul, Taimuraz Khugayev, à agência de notícias Interfax.

Reuters |

'A partir destas informações, neste momento, os investigadores descobriram as circunstâncias da morte e os locais onde foram enterradas 500 pessoas.'

A Geórgia diz ter promovido a invasão para proteger suas vilas dos ossetianos do sul. A Rússia apóia os separatistas e promoveu um grande contra-ataque, que forçou o exército georgiano a se retirar.

Khugayev não explicou o porquê de investigadores não terem descoberto todos os 1.600 civis mortos.

Diversos militares georgianos foram mortos em conflitos.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG