Os grupos islamitas que atuam na Índia

Os ataques realizados na quarta-feira em Mumbai foram reivindicados por um grupo islamita indiano até então desconhecido, reforçando a tese segundo a qual a Índia é um berço de grupos extremistas locais e não apenas de organizações oriundas dos vizinhos Paquistão e Bangladesh.

AFP |

O desconhecido grupo Deccan Mujahedine reivindicou os atentados que deixaram mais de 10 mortos e centenas de feridos.

O nome utilizado pelo grupo islamita, Deccan, designa uma área que cobre uma grande parte do centro e do sul da Índia.

Um outro grupo, os Mudjahidines Indianos, reivindicou em um um correio eletrônico os atentados cometidos em 14 setembro em Nova Délhi, "em nome de Alá", contra lojas da capital federal e que deixaram 20 mortos.

Um terceiro grupo, a "Força de Segurança Islâmica-Mudjahedine Indiana", reivindicou inúmeros atentados no nordeste do país, que deixaram cerca de 80 mortos no final de outubro.

É difícil determinar se esses grupos são aliados, segundo B. Raman, ex-chefe das forças de segurança e diretor do Instituito de Questões da Atualidade, para quem a escolha desses nomes pretende "indianizar" os movimentos islamitas.

Os Mujahedines Indianos, que também se apresentam como "milícia do Islã", se proclamam em "guerra aberta contra a Índia". Esta célula islamita local já assumiu a responsabilidade de uma série de atentados em Ahmedabad (Estado de Gujarat, oeste), em Jaipur (Estado do Rajastão, nordeste), neste ano, e ataques coordenados, em 2007, contra três cidades de Uttar Pradesh (norte).

No total, mais de 120 pessoas morreram nos ataques.

Segundo a inteligência indiana, os Mujahedines Indianos podem ser oriundos do Movimento Islâmico dos Estudantes da Índia (SIMI), proscrito em 2001 pelo governo, mas que está apelando dessa decisão ante à Suprema Corte.

Outros especialistas acham que os Mujahedines Indianos não agem sozinhos e são aliados a organizações islamitas com base no Paquistão ou Bangladesh - o Lashkar-e-Taiba (LeT) e o Harkat-ul-Jihad-al-Islami (HuJI) -, acusadas de ter realizado vários ataques na Índia nos últimos anos.

Em suas reivindicações, os Mujahedines Indianos querem vingar as rebeliões de 2002 em Gujarat entre hindus e muçulmanos (2.000 mortos, muçulmanos em sua maioria) e protestar contra a reaproximação entre a Índia e os Estados Unidos.

bur-bgs/cn

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG