Os gregos antigos previam os eclipses com grande exatidão

Os astrônomos da Grécia do século II antes de Cristo previam os eclipses com grande exatidão graças a seus conhecimentos do mecanismo de cálculo astronômico de Anticythere, segundo um estudo publicado nesta quarta-feira pela revista Nature.

AFP |

Os eclipses - que se repetem segundo o chamado ciclo de Saros, que dura cerca de 19 anos - eram anotados em uma grande roda dentilhada que indicava a seu usuário se eram solares ou lunares e a que hora iam acontecer, segundo os cientistas do projeto de pesquisa sobre o chamado mecanismo de Anticythere.

Eles descobriram como, segundo esses cálculos, os eclipses se atrasam cerca de oito horas, ou seja, 120 graus de longitude, em cada ciclo.

"O mecanismo compreendia também uma pequena roda dentilhda que indicava ao usuário como realizar esse ajuste temporal", explicou John Steele, um dos autores do estudo.

"Sabemos que esse antigo mecanismo grego, que data de 2.100 anos de idade, calculava ciclos complexos de astronomia matemática. Nós nos surpreendemos ao constatar que também podia colocar em evidência um ciclo quatrienal dos antigos Jogos Olímpicos", acrescentou Tony Freeth, outro autor do estudo.

Usando imagens obtidas graças a raios-X em três dimensões, os cientistas conseguiram decifrar o nome dos meses associados ao mecanismo, muito complexo e composto por pelo menos 30 engrenagens de precisão.

O mau estado em que pescadores de esponjas encontrara, no início do século XX, o mecanismo de Anticythere dificultou durante muito tempo o estudo e a compreensão de suas fun'~oes.

"Essa tecnologia é extraordinária. Cada vez que a exploramos um pouco mais, encontramos algo mais sofisticado", concluiu Freeth.

boc-ri/mpf/cn

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG