Organizações afirmam que Honduras não está aplicando anistia

WASHINGTON - Advogados de organizações pró-direitos humanos denunciaram na terça-feira à noite perante a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) que Honduras não está aplicando a anistia estipulada pelo Legislativo, para fechar as feridas abertas pelo golpe de Estado de 28 de junho de 2009.

EFE |

O Congresso Nacional de Honduras aprovou em 26 de janeiro uma anistia geral por delitos políticos e comuns para os envolvidos na crise derivada do golpe de Estado que derrubou o presidente Manuel Zelaya.

A anistia foi acertada antes que o novo presidente do país, Porfirio Lobo, assumiu o cargo. No entanto, segundo uma denúncia de um grupo de oito advogados representantes de distintas organizações hondurenhas perante a CIDH, as autoridades competentes "não estão aplicando a anistia".

"O decreto de anistia tem de ser aplicado pelo Ministério Publico e os juizados competentes, mas não conseguimos isso nos casos dos opositores ao golpe", denunciou o advogado Roger Ordóñez, do Centro para a Prevenção, Tratamento e Reabilitação para as vítimas de Tortura e seus familiares (CPTRT).

"Não querem reconhecer politicamente que os direitos foram violados e que esses juízos não têm razão de ser", motivo pelo qual, segundo o advogado, não estão sendo aplicados nesses casos.

Os advogados assinalaram que desde o dia 28 de junho "milhares de detenções ocorreram com total impunidade" e denunciaram "tortura" e "maus tratos".

"A maioria dos detidos foi torturada e não teve acesso a médicos. Os juízes não exerceram o controle da legalidade e realizaram rapidamente as acusações que, segundo Nectalí Rodezno, da Frente de Advogados Contra o Golpe, foram "incongruentes" e "desproporcionais".

Rodezno ressaltou que, nos processos contra os opositores ao golpe, houve um viés político e, apesar da anistia, ainda há 76 pessoas processadas com medidas de detenção preventiva, como a proibição de sair do país e não participar de manifestações.

"Enquanto continuar a mesma Corte de Justiça e o procurador-geral, que se mostraram a favor do golpe, é muito difícil" que haja mudanças, disse a advogada Sara Jeaneth Aguilar, da Frente de Advogados e Movimento Amplo.

Os advogados denunciaram "graves" e "sistemáticas" violações contra a liberdade de expressão após o golpe contra veículos de comunicação como a "Rádio Progresso", o "Canal 36" e a "Rádio Globo".

Os jornalistas foram ameaçados, golpeados e detidos sem que houvesse uma ordem de fechamento formal de seus canais e, segundo denunciaram, os responsáveis pelas agressões não receberam nenhum castigo, já que a justiça ditou que os acusados não atuaram com dolo.

Os peticionários pediram à CIDH que emita um comunicado adicional quando terminar o período de sessões no qual expressará sua preocupação pela resposta pouco efetiva do Poder Judiciário em Honduras e induza as autoridades a que ordenarem uma investigação sobre a conduta de juízes e fiscais e as correspondentes sanções caso tenham acontecido irregularidades.

Também solicitaram medidas cautelares para proteger algumas pessoas que possam estar ameaçadas, além da programação de uma nova visita, após a que ocorreu em agosto, para analisar a situação no país.

O relator da CIDH para Honduras, Felipe González, lembrou que a Comissão já discutiu a situação no país em janeiro passado e enviou uma carta para pedir uma visita de acompanhamento.

"Esperamos poder realizar em breve uma visita e observar em primeira mão a situação em Honduras", assinalou González, que acrescentou que a Comissão seguirá tramitando a solicitação de medidas cautelares.

Leia mais sobre Honduras

    Leia tudo sobre: hondurasmanuel zelaya

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG