Organização revela documentos confidenciais sobre Fujimori

Washington, 7 abr (EFE).- Uma organização americana publicou hoje seis dos 21 documentos oficiais utilizados durante o julgamento do ex-presidente peruano Alberto Fujimori (1990-2000), conseguidos sob o amparo da Lei de Liberdade de Informação.

EFE |

Fujimori, de 70 anos, foi condenado nesta terça-feira a 25 anos de prisão pelos crimes de homicídio qualificado e assassinato com traição, lesões graves e sequestro pelos massacres de Barrios Altos e La Cantuta, que deixaram 25 mortos em 1991 e 1992, além do sequestro de um jornalista e um empresário em 1992.

A organização Arquivos de Segurança Nacional (ANS) publicou em seu site alguns dos documentos que foram apresentados como provas no processo.

Os registros confidenciais contêm material de inteligência recolhida por funcionários dos Estados Unidos no Peru sobre os "esquadrões da morte" que faziam parte das operações de Fujimori, assim como o papel das forças de segurança peruanas em matéria de direitos humanos e a participação do ex-presidente para protegê-los.

Entre eles, há um relatório de 23 de agosto de 1990 no qual a fonte fala sobre um plano disfarçado para criar os "esquadrões da morte" e os julgamentos paralelos dos suspeitos de terrorismo que, segundo o relatório, "contam com a aprovação tácita do presidente Fujimori".

No documento, emitido pouco depois de vencer as eleições, há indícios de que Fujimori tinha previsto "dois níveis de plano de luta contra a subversão" e uma política pública de respeito aos direitos humanos.

Além disso, estava previsto um conjunto de operações que "incluem as operações especiais do Exército e unidades de capacitação nos assassinatos extra-judiciais".

Também há outro de dezembro de 1991, no qual o embaixador americano em Lima destaca o pouco interesse do líder peruano em investigar o massacre de Barrios Altos, que coincidiu com Fujimori em um ato da Academia Militar peruana.

Dois anos mais tarde, em 22 de janeiro de 1993, a embaixada alerta de que Fujimori "está disposto a sacrificar os princípios para conseguir a vitória sobre o terrorismo".

Os documentos podem ser encontrados no site da organização com sede na Universidade George Washington, que se dedica a reunir e publicar documentos confidenciais adquiridos através da Lei de Liberdade de Informação. EFE elv/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG