Organização Latino-americana de Energia defende sistema elétrico integrado

Foz do Iguaçu (Brasil), 19 mai (EFE).- O secretário-executivo da Organização Latino-Americana de Energia (Olade), Carlos Arturo Flórez, disse hoje que para pôr fim às crises energéticas regionais é preciso integrar os sistemas elétricos e melhorar a eficiência do consumo.

EFE |

"Se melhorássemos a eficiência do sistema elétrico, nós economizaríamos na construção de custosíssimas hidrelétricas", comentou Flórez com jornalistas, após seu discurso no Fórum Global de Energias Renováveis, que começou domingo passado, em Foz do Iguaçu, com apoio da Organização das Nações Unidas (ONU).

O diretor da Olade disse que, com medidas como a substituição de eletrodomésticos velhos por novos, poderia se reduzir um terço do consumo elétrico doméstico.

Para Flórez, uma das medidas essenciais a serem tomadas para melhorar a eficiência energética na América Latina é a difusão e unificação da escala regional do rótulo dos eletrodomésticos.

Este assunto será a questão central de uma reunião de ministros de Energia da região que a Olade organizará no final de julho, na Ilha Margarita, na Venezuela, quando também serão compartilhadas as experiências bem-sucedidas de cada um dos membros da organização em relação à eficiência energética.

Na opinião de Flórez, também devem se abordar questões como a mudança dos motores industriais, "que agora só são trocados quando termina seu ciclo produtivo", a melhoria dos controles e a introdução do uso de lâmpadas mais eficientes, como células fotovoltaicas na iluminação pública.

Na área de transporte, deve-se investir no transporte coletivo e promover o uso de energias limpas como gás e eletricidade.

Flórez considerou que também é "chave" a integração dos sistemas regionais, devido à "desigualdade de repartição de recursos energéticos" no continente.

"Necessitamos de um projeto de integração regional, da universalização e da diversificação da matriz energética se quisermos atender ao aumento da demanda", considerou Flórez.

Segundo dados da Olade, o consumo de energia crescerá 73% na região até 2018.

A Olade calcula que diversas fontes energéticas ainda têm grande capacidade de desenvolvimento.

No caso da hidroelétrica, a América Latina utiliza 21% dos 659.531 megawatts por hora anuais que poderiam ser produzidos pelo continente. EFE mp/rb/fb

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG