Organização européia questiona eleições no Azerbaijão

BAKU - O Escritório para as Instituições Democráticas e Direitos Humanos (ODIHR), da Organização para a Segurança e a Cooperação na Europa (OSCE), afirmou hoje que não foram inteiramente democráticas as eleições presidenciais de ontem no Azerbaijão, que reelegeram o presidente Ilham Aliyev.

EFE |

"O processo eleitoral não refletiu plenamente as normas democráticas. As autoridades azerbaijanas não cumpriram com suas obrigações", destacou em entrevista coletiva o chefe da missão de observadores da ODIHR, Boris Frlec.

Frlec destacou que houve casos de "manipulação" durante a apuração e também "insuficiência na cobertura das atividades políticas dos candidatos".

As autoridades azerbaijanas introduziram "várias emendas ao código eleitoral, mas apesar das recomendações internacionais, muitos partidos não foram representados na comissão eleitoral", acrescentou.

Frlec admitiu que foram criadas "condições iguais para todos os candidatos. Ao não participar da campanha, o presidente (Aliyev) deu a possibilidade de outros candidatos ficarem conhecidos".


Comissão Eleitoral do Azerbaijão se prepara para a contagem dos votos / AP

A missão do Parlamento Europeu lamentou o fato de a campanha não ter sido muito estimulada, tanto devido ao boicote da oposição quanto à recusa de Aliyev em participar de debates eleitorais.

A chefe da missão de observadores dos Estados Unidos, Gwen Belcourt, disse que as eleições no Azerbaijão foram "limpas e livres" e afirmou que as autoridades fizeram tudo possível para garantir a expressão da vontade popular.

Aliyev foi reeleito para cinco anos com 88,64% dos votos, informou hoje a Comissão Eleitoral Central do Azerbaijão, após a apuração de 98% das urnas.

Os outros seis candidatos, todos governistas e que se apressaram em parabenizar Aliyev pela vitória após o fechamento das seções eleitorais, obtiveram entre 0,65% e 2,78% dos votos.

Os principais partidos opositores decidiram boicotar o pleito, por isso não apresentaram candidatos.

Aliyev deve jurar o cargo em 31 de outubro com as mãos sobre a Constituição e o Corão.

Leia mais sobre: Azerbaijão

    Leia tudo sobre: azerbaijão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG