Opositores tailandeses invadem gabinete do primeiro-ministro em plena crise

Cerca 45 manifestantes invadiram neste sábado o gabinete abandonado do primeiro-ministro tailandês, Samak Sundaravej, depois de terem passado cinco dias ocupando as imediações do prédio oficial em seu movimento para afastá-lo do poder.

AFP |

Na ocasião, o premier já tinha deixado a capital com direção à estação balneária de Hua Hin para expor a situação de crise ao rei Bhumibol Adulaydej.

Um dos ativistas explicou à AFP que o líder do protesto, Chamlong Srimuang, ordenou que as portas fossem forçadas para que pudessem usar o escritório do chefe de Governo.

Cerca de 15.000 manifestantes ocupam neste sábado os arredores da Casa de Governo, um dia depois dos distúrbios com a polícia.

A crise política sem precedentes atravessada pela Tailândia há quatro dias aumentou na sexta-feira, com choques entre a polícia e os manifestantes que ocupam a sede do governo.

Samak, de 73 anos, reiterou nesta sexta-feira que não autorizará o recurso à força contra os manifestantes.

No entanto, os agentes tentaram impedir com violência a entrada de outros opositores no local e seis pessoas ficaram levemente feridas, segundo várias testemunhas.

Na manhã desta sexta-feira, grupos de opositores bloquearam as entradas de vários aeroportos regionais em sinal de solidariedade com os quase 13.000 manifestantes que continuavam ocupando a "Casa de Governo", mantida sob a vigilância de 8.000 policiais, segundo o coronel Noraboon Nanna.

A Polícia tailandesa também dispersou nesta sexta-feira com bombas de gás lacrimogêneo cerca de 2.000 manifestantes reunidos em frente à sede da Polícia em Bangcoc, constatou um jornalista da AFP.

Os manifestantes pertencem à Aliança do Povo para a Democracia (PAD), uma coalizão de nacionalistas, monárquicos e militantes de movimentos sociais.

A PAD organizou vários protestos contra o governo desde maio e acusa o primeiro-ministro de ser o "testa-de-ferro" de Thaksin Shinawatra, o magnata e ex-primeiro-ministro derrubado por um golpe de Estado em 2006 e atualmente refugiado na Grã-Bretanha.

O partido de Samak, dominado pelos homens de Thaksin, venceu em dezembro as primeiras eleições depois do golpe militar.

Além da renúncia do primeiro-ministro, os manifestantes exigem a manutenção da Constituição elaborada sob o governo da junta militar.

bur-cm/dm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG