Opositores protestam contra Putin e apontam fraudes nas eleições

Polícia deteve centenas em Moscou onde milhares se reuniram em um dos maiores protestos oposicionistas na capital em anos

iG São Paulo |

Reuters
Tropas do Ministério do Interior detêm manifestante em passeata em São Petersburgo, na Rússia
Milhares de manifestantes protestaram no centro de Moscou nesta segunda-feira contra o que disseram ser uma eleição parlamentar fraudulenta. A polícia afirmou ter prendido 300 pessoas em Moscou, onde confrontou uma multidão de 3 mil a 5 mil manifestantes, que se reuniram num dos maiores protestos oposicionistas na capital em anos.

Leia também:
- Com revés eleitoral, Rússia Unida perde facilidade para mudar Constituição
- Observadores afirmam que eleição na Rússia teve irregularidades
- Partido governista vence eleições parlamentares na Rússia, mas perde apoio


Parte dos manifestantes tentou invadir a sede da Comissão Eleitoral Central (CEC) após participar de um ato de protesto contra os resultados das eleições parlamentares de domingo. Com a maioria das urnas apuradas, o partido do premiê Vladimir Putin, Rússia Unida, garantiu 49,5% dos votos, número muito abaixo dos 64% de 2007 , mas, ainda assim, uma maioria.

Observadores europeus citaram nesta segunda-feira numerosas irregularidades nas eleições parlamentares que ocorreram no domingo na Rússia. A Organização pela Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) disse que a votação foi tendenciosa em favor do partido governista com aparente manipulação, como a sabotagem das urnas.

"Revolução", "Liberdade" e "Novas eleições", gritavam os ativistas, enquanto corriam para evitar serem presos pela tropa de choque da Polícia, informam as agências de notícias russas. A polícia, equipada com escudos de metal, teve de interditar o acesso à praça Lubianka, em torno da qual se encontra o prédio da CEC e também da sede do Serviço Federal de Segurança (FSB, antiga KGB).

Outros manifestantes, em sua maioria jovens, bloquearam o trânsito durante vários minutos em uma das principais artérias da capital russa, o que motivou a intervenção das forças de segurança. Segundo o jornal online Gazeta.ru, os manifestantes detidos foram levados pela polícia em ônibus e transferidos a uma delegacia.

Entre os presos está o político opositor Ilya Yashin - articulador da passeata rumo à CEC -, além do blogueiro Alexei Navalny e de vários jornalistas.

As detenções ocorreram após o ato de protesto organizado pelo movimento opositor Solidarnost (Solidariedade) no bulevar Chistye Prudy, em Moscou, que contou com a participação de milhares de manifestantes. "Rússia sem Putin", "Vergonha" e "Putin, vá embora já", gritavam os manifestantes.

Diversos líderes de grupos opositores não parlamentares - que não puderam participar das eleições legislativas por terem registro negado como partidos políticos - subiram ao palanque para acusar a legenda governista Rússia Unida de cometer fraude nas eleições.

Em São Petersburgo, mais de 100 foram detidos por participarem de um protesto não autorizado contra os resultados da votação.

Com EFE e Reuters

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG