Genebra, 3 dez (EFE).- Cerca de 300 parentes dos opositores iranianos residentes no Iraque completaram hoje 100 dias de protesto em frente à sede Nações Unidas em Genebra, onde pedem, desde 25 de agosto, garantia de segurança para o campo de refugiados iraquiano de Achraf, no Iraque, onde estão seus familiares.

Pela tarde, os manifestantes, que apóiam os 3.500 opositores iranianos residentes em Achraf, no nordeste de Bagdá, seguirão até o Wilson, sede do Alto Comissariado de Direitos Humanos das Nações Unidas.

Durante suas manifestações diárias, os parentes dos opositores denunciam execuções no Irã e elogiam as figuras de Massoud e Mariam Radjavi, dirigentes da Organização dos Mujahedins do Povo do Irã (OMPI).

Os manifestantes temem que, sob a pressão do presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, o Governo iraquiano expulse os opositores de Achraf.

Por isso pedem às Nações Unidas e ao Comitê Internacional da Cruz Vermelha que lhes garantam a proteção "para evitar uma tragédia".

Desde 2003, a proteção dos opositores iranianos no Iraque é de responsabilidade das forças de coalizão. EFE mh/jp

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.